Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Manifestantes enfrentam a polícia em protesto contra austeridade na Itália

Militantes de extrema direita protestaram em frente à representação da Comissão Europeia em Roma.

Por Da Redação 14 dez 2013, 18h18

Manifestantes e policiais se enfrentaram neste sábado durante protestos contra a austeridade nas cidades italianas de Roma, Turim e Veneza, durante uma onda de ações lideradas pelo movimento dos “Forconi”.

Em Turim, antigo núcleo industrial do norte italiano, muito afetado pela crise econômica e epicentro dos protestos que começaram esta semana, os estudantes lançaram bombas de fumaça em direção à polícia.

Vários militantes de extrema direita, usando máscaras com a bandeira italiana e lenços brancos em volta do pescoço, protestaram em frente à representação da Comissão Europeia em Roma, onde retiraram uma bandeira comunitária antes que a polícia começasse a expulsá-los.

Em Veneza, a polícia lançou gás lacrimogêneo para dispersar as manifestações de extrema direita e extrema esquerda próximo a estações de trem.

Duas pessoas foram detidas e cerca de 10 policiais ficaram levemente feridos durante esse protesto, que obrigou a fechar uma nova ponte entre duas ilhas, projetada pelo famoso arquiteto Santiago Calatrava.

“A situação é muito preocupante, porque é uma expressão de grande descontentamento social”, disse o ministro italiano de Desenvolvimento Econômico, Flavio Zanonato, durante a abertura de uma fábrica de componentes para aviões próximo de Milão.

“Devemos nos apressar e relançar nosso país”, disse.

Continua após a publicidade

A presidente da Câmara de Deputados, Laura Boldrini, alertou que “não se deve colocar mais lenha na fogueira dessa raiva”.

O movimento Forconi, que nasceu na Sicília, prepara um protesto no centro de Roma a partir de quarta-feira que prevê manter até que sejam atendidos seus pedidos: realizar novas eleições e uma mudança profunda da classe governante.

O heterogêneo movimento reúne agricultores insatisfeitos com as medidas econômicas, comerciantes, caminhoneiros, desempregados e indignados que pedem a queda do governo.

(com agência France Presse)

Leia também:

PIB da Itália encerra série de 8 trimestres em queda

BC da Alemanha eleva estimativa de crescimento do país

Indústria da zona do euro tem maior ritmo de expansão em 2 anos e meio

Continua após a publicidade
Publicidade