Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Mais uma desculpa e mais uma promessa de Paulo Guedes

Ministro reitera que medida eleitoreira proposta por Bolsonaro seria possível apenas com projeto ansiado desde o início do governo

Por Victor Irajá Atualizado em 9 jun 2022, 19h23 - Publicado em 9 jun 2022, 18h17

Em um evento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu, nesta quinta-feira, 9, que o governo federal falhou em oferecer aumentos a servidores públicos federais — pauta que enfrentava resistência do próprio ministro, em contraposição direta ao que desejava o presidente Jair Bolsonaro, o qual desde o fim do ano passado bate o pé para conceder aumento a policiais, uma de suas grandes bases de apoio. “O governo federal não conseguiu dar aumento de salários, mas reduziu impostos para 200 milhões de brasileiros, ao invés de ajudar só o funcionalismo, que ajudou nessa guerra”, afirmou o ministro. “Logo ali na frente, vai ter aumento para todo mundo, vamos fazer reforma administrativa. Mas agora está em guerra também”, prometeu Guedes.

No mês passado, durante participação no Fórum Econômico Mundial, o ministro havia sinalizado uma nova “licença para gastar”, afirmando que seria possível conceder até 5% de aumento para as carreiras do funcionalismo federal ainda neste ano.

Em meio ao vai-não-vai da concessão de reajustes, o governo cogitou dar aumentos de 5% para todos os funcionários públicos em âmbito federal. O custo da medida era avaliado em mais de 6 bilhões de reais. Informado por Guedes da impossibilidade de realizar a benesse em ano eleitoral, Bolsonaro flertava com a concessão de benefícios apenas para as categorias de segurança pública sob o guarda-chuva da administração federal — Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, por exemplo.

Essa pauta não é recente. Em janeiro, durante a consolidação do projeto que baseia o Orçamento de 2022, o ministro empenhou-se frontalmente em limitar o alargamento dos gastos para este ano. Segundo Guedes, os aumentos generalizados seriam viáveis em um contexto cuja reforma administrativa estivesse aprovada. No Palácio do Planalto, comentava-se que o presidente fazia pressão para conceder um aumento de 10% para todos os servidores, ao custo de 30 bilhões de reais, e encontrava resistência em Guedes. “Um reajuste generalizado hoje é uma falta de compromisso com o combate à inflação, com a responsabilidade fiscal, com as futuras gerações”, ressaltou ele ao presidente.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)