Maior térmica do país é obrigada a diminuir em 94% produção

Devido a panes, produção de Suape 2, em Santo Agostinho (PE), caiu de 381,2 MW para apenas 22 MW. Normalização das atividades deve ocorrer em abril

Por Da Redação - 16 jan 2015, 11h14

A usina térmica Suape 2, em Cabo de Santo Agostinho (PE), maior do país movida a óleo, reduziu em 94% sua produção de energia nesta semana, depois que uma pane grave ocorreu em suas máquinas. O parque vinha trabalhando em sua capacidade máxima, de 381,2 megawatts (MW), sem ter feito um cronograma de manutenção das instalações. Assim, apenas uma de suas 17 turbinas continua gerando energia, enquanto as demais estão paradas.

Desde terça-feira, a usina tem gerado somente 22 MW, uma redução de 360 megawatts, equivalente à metade de toda a energia que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) tem deixado de acionar do parque térmico nacional por causa de paralisações de manutenção das máquinas.

De acordo com a Suape Energia, sociedade em que atua ao lado da Savana SPE Incorporadora, “avarias graves” tiraram de operação 3 das 17 máquinas de Suape 2. As panes, ocorridas em novembro, dezembro e janeiro, levaram a uma “ordem de parada” emitida pela finlandesa Wartsila, responsável pelo projeto, construção, montagem, operação e manutenção da térmica.

“Com a parada das máquinas, os motores da usina estão agora passando por detalhada inspeção, com eventual troca de alguns componentes, com o objetivo de se evitar a repetição daquelas avarias”, declarou a empresa. De acordo com o cronograma fornecido pela Wartsila, a retomada plena das 17 turbinas só será possível a partir de abril.

Publicidade

Leia mais:

Para evitar panes, térmicas cortam produção

Só ‘dilúvio’ traz alívio ao sistema elétrico em 2015, dizem especialistas

Custo de energia ameaça sete grandes empresas no NE

Publicidade

Empresa – As máquinas usadas em Suape 2 estão em atividade desde janeiro de 2013. Instalada no Porto de Suape, a usina tem 100% de sua energia vendida para 35 distribuidoras em diversas regiões do país. A planta pertence à Petrobras, que detém 20% de participação, e ao empresário Carlos Mansur, dono dos demais 80%. A geração térmica tem respondido por quase 22% do consumo diário de energia elétrica em todo o país.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade