Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Maior queda da liquidez americana desde 2018 ameaça os mercados

Indicador conhecido como "Marshallian K" acaba de ficar negativo; nas últimas crises, a baixa prenunciou uma virada drástica e negativa no rumo das ações

Por Luisa Purchio 12 ago 2021, 14h23

A recente queda de um indicador chamado “Marshallian K” entrou no radar dos mercados americanos como uma possível ameaça ao boom das ações que ocorrem na esteira da recuperação da crise da Covid-19 e da divulgação dos bons balanços das empresas dos Estados Unidos. Pouco conhecida e referente ao economista britânico Alfred Marshall (1842-1924), é considerada a melhor medida para saber se existe excesso de liquidez nos mercados, uma vez que avalia a relação da quantidade de moeda ofertada e o Produto Interno Bruto do país. Se a oferta da moeda cresce mais rapidamente que o PIB, significaria que o dinheiro não estaria sendo absorvido pela economia real, e a tendência é que ele acabe no sistema financeiro.

Durante a crise, tanto o governo americano quanto o Federal Reserve Bank injetaram trilhões de dólares na economia via pacotes de incentivo fiscal e uma política monetária estimulativa, estratégias para tirar o país da crise. Como os lockdowns ainda estavam sendo adotados para conter a disseminação do vírus e o consumo diminuiu, ao mesmo tempo em que a taxa de juros caia a zero, as bolsas de valores foram o principal canal de absorção desses ativos, batendo recordes atrás de recordes de valorização.

Agora, porém, com a vacinação, com a recuperação do PIB e com a possibilidade de o Fed em breve iniciar a sinalização para uma redução de estímulos, o Marshallian K entrou em terreno negativo pela primeira vez desde 2018. Isso significa que o PIB do país está crescendo a passos mais largos e rápidos que o M2 do governo, ou seja, que o estoque de dinheiro disponível via meios como moedas, depósitos em cheque, de poupança, a prazo e ações em fundos do varejo.

A queda do Marshallian K poderia até não ser um problema se, na última década, as duas ocasiões em que este indicador caiu não tivessem ocorrido também grandes quedas das ações. Portanto, pode ser um prenúncio de que o mesmo pode mais uma vez ocorrer – mesmo que depois os valores possam se recuperar, como ocorreu no passado. Alguns fatores atuais, no entanto, amenizam a ameaça. Entre elas, o fato de que a quantia injetada pelo Fed na economia durante a crise da Covid-19 é a maior da história.

A despeito da queda do indicador, os índices americanos continuam operando no terreno positivo. Pelo menos por enquanto, o indicador é apenas mais um ponto digno de atenção no radar dos investidores.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)