Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Maia desiste de articular reforma e diz que não será ‘mulher de malandro’

Presidente da Câmara afirma que não vai ficar levando ‘pancada’ da base do governo e ‘achando bom’; Paulo Guedes também descarta ser articulador da proposta

Por Da Redação Atualizado em 9 abr 2019, 11h22 - Publicado em 8 abr 2019, 20h47

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira, 8, que não fará mais articulação política no Congresso pela aprovação da reforma da Previdência e que não vai ser “mulher de malandro, de ficar apanhando e achando bom”, afirmou. A declaração foi dada no evento E Agora Brasil?, promovido pelos jornais O Globo e Valor Econômico.

“O presidente da Câmara coordena 512 deputados, todos iguais. Eu recebo na residência da Câmara 50, 60 deputados. É diferente ser presidente da Câmara e presidente da República no sistema presidencialista. Só não vou ficar no meio dessa briga levando pancada da base do presidente. Não vou ser mulher de malandro, de ficar apanhando e achando bom”, disse Maia, segundo o jornal O Globo.

Ele afirmou que se resignou ao seu papel institucional na tramitação do projeto e que estará pronto para pautar a medida quando for a hora. “Agora, se o governo vai ganhar, você pergunta para o Onyx”, afirmou, em referência ao ministro-chefe da Casa Civil e articulador político do governo.

Maia afirmou que os ataques que sofreu no mês passado davam a entender que ele queria se favorecer de alguma forma dessa articulação, e por isso decidiu se afastar. “Agora, estou mais fechado, porque me colocaram no meu papel [institucional]“, disse. “Não falo mais de prazo, nem de voto. Aliás, falar disso atrapalha o governo”, afirmou.

Maia e o presidente Jair Bolsonaro protagonizaram uma intensa troca de farpas recentemente sobre a articulação política do governo em torno da reforma, mas a animosidade aparentemente havia sido estancada, com declarações mútuas de paz e da necessidade de aprovar a proposta.

Guedes

Se Maia não fará a articulação política do governo Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, também não. No mesmo evento, ele disse não ter a pretensão de executar esse papel. “Vocês viram meu desempenho [na audiência da Comissão de Constituição e Justiça, na semana passada]. Não tenho temperamento para isso”, afirmou, arrancando risos da plateia.

Na ocasião, o ministro bateu boca com vários parlamentares da oposição, especialmente com Zeca Dirceu (PT-PR), que o acusou de ser “tigrão” com os mais pobres e “tchutchuca” com os poderosos. A declaração irritou Guedes – que disse aos berros “Tchutchuca é a mãe, é a avó” –, o que levou ao encerramento prematuro da sessão.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)