Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro aumenta salário em 30% para fazer frente a inflação ‘de 80%’

Segundo o presidente do país, decisão também foi tomada para proteger os trabalhadores dos "capitalistas ladrões"

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que decretou um aumento do salário mínimo de 30% para fazer frente à inflação que, garantiu, está em torno de 80%. Segundo ele, a medida também foi tomada para resguardar o trabalhador dos “capitalistas ladrões”.

O salário mínimo mensal vigente na Venezuela até hoje era de 7.422 bolívares, o equivalente a 37,11 dólares com câmbio de 199,85 bolívares por dólar, a taxa oficial mais alta, dentro do complicado sistema de controle de divisas que vigora no país.

Com este ajuste anunciado hoje, o salário passará para 9.649 (48,2 dólares) e “imediatamente, devem ser ajustadas todas as tabelas da administração pública e das forças armadas”, ordenou o presidente.

Segundo Maduro, esta medida “representa um aumento anualizado de 137% da renda mínima vital dos trabalhadores” que vai “muito além da inflação” e assegurou que o Banco Central da Venezuela (BCV) e o Instituto Nacional de Estatística (INE) lhe informaram que a inflação está “perto de 80%”.

A informação sobre o índice de inflação foi oferecida por Maduro depois que, ao longo de todo o ano de 2015, o BCV deixou de apresentar dados mensais, tanto do índice de preços ao consumidor, como da evolução do Produto Interno Bruto (PIB).

“Pode estar por aí, perto de 80 %, me disseram, são as projeções. Agora, cabe a eles, ao BCV e ao INE, anunciar essas estatísticas”, disse o presidente ao indicar que a inflação de 2015 é “induzida, especulativa, criminosa”, que foi promovida pelo setor privado e pela oposição de seu país.

Leia mais:

Emprego na indústria cai 6,9% em agosto, maior recuo da história

Prévia do PIB cai 0,76% em agosto, aponta BC

Em maio, Maduro também decretou um aumento de 30% que se diluiu com a inflação deste ano que, segundo economistas e porta-vozes da oposição, é superior a 150%.

No dia 5 de outubro, o Centro de Documentação e Análise Social (Cendas) da Federação Venezuelana de Professores divulgou um relatório que indicava que uma família venezuelana de cinco pessoas necessita de dez salários mínimos para adquirir a cesta básica de produtos indispensáveis.

A Venezuela tem um dos piores desempenhos econômicos da região neste ano após encerrar 2014 em recessão e com uma inflação acima de 65%, a mais alta da América Latina, e vem sofrendo especialmente devido à queda drástica dos preços internacionais do petróleo que rondam os 40 dólares por barril.

(Com agência EFE)