Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Lupi nega que aperto fiscal comprometa empregos

Por Da Redação 29 ago 2011, 16h06

Por Wladimir D’Andrade

São Paulo – O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje que o aumento do aperto fiscal anunciado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, não comprometerá os projetos de sua pasta. Mantega anunciou o aumento da meta de superávit primário para 2011 em R$ 10 bilhões, o que corresponde de 0,25% a 0,30% do Produto Interno Bruto (PIB). Em entrevista, o ministro da Fazenda disse que o aumento da meta será para o governo central (formado por Tesouro, Previdência e Banco Central). Assim, a economia desses órgãos passará de um pouco mais de R$ 81 bilhões para R$ 91 bilhões.

Segundo Lupi, o Ministério do Trabalho já tem economizado acima da meta estabelecida pela presidente Dilma Rousseff no início de seu governo. “O aperto fiscal se refere apenas a gastos de custeio. Nisso, o Ministério do Trabalho está acima da meta do governo”, afirmou Lupi em entrevista à imprensa, após participar de debate do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em São Paulo.

De acordo com Lupi, não existe nenhuma chance desse aperto e dos cortes de gastos planejados para o ano que vem atingirem o reajuste do salário mínimo. “O aumento do salário mínimo já foi aprovado pelo Congresso Nacional e assinado pela presidente Dilma, então não tem mais nenhum tipo de discussão a esse respeito”, afirmou. O ministro disse ainda que as medidas não comprometerão a geração de empregos no País.

Ele estima que haverá um bom desempenho do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) para agosto e prevê que, até o final do ano, o desemprego esteja num patamar entre 5,5% e 5,7%. “Todas as informações que eu tenho são muito positivas. Devemos terminar o ano com esse índice”, explicou.

Sobre a possível aprovação pelo Congresso da PEC 300 – que estabelece um piso nacional para policiais – e da Emenda 29 – que discorre sobre gastos na Saúde -, Lupi disse que não tem opinião formada. Mas que, se aprovados, os projetos terão grande impacto no orçamento federal. “São duas questões estratégicas para o País, uma de manutenção da vida e a outra de segurança nacional, mas que acabam acarretando em aumento de gastos na folha mais dos Estados e municípios do que do governo federal”, argumentou. “Tenho a impressão de que praticamente todos os governadores e prefeitos são contra, porém temos que discutir isso na base de apoio”.

O ministro descartou a possibilidade de efeitos maiores da crise internacional nos índices de emprego no Brasil. Lupi avalia que a situação é de excesso de financiamento externo, diferentemente de 2008 e 2009. “Temos que assegurar o valor do real em virtude do excesso de dólares que entra no País”, disse.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)