Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lula demite Jean Paul Prates da presidência da Petrobras

A engenheira Magda Chambriard será a sucessora do cargo

Por Camila Barros, Pedro Gil, Larissa Quintino Atualizado em 14 Maio 2024, 21h37 - Publicado em 14 Maio 2024, 21h11

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu Jean Paul Prates da presidência da Petrobras nesta terça-feira, 14. Segundo fontes do governo, quem assume o cargo é Magda Chambriard.

A demissão ocorre após meses de tensão envolvendo a cadeira de Prates. O estopim da rixa aconteceu em março, quando Prates se absteve em uma votação sobre o pagamento de dividendos extraordinários mesmo após o governo determinar que os representantes do conselho da Petrobras se colocassem contra a medida. No dia seguinte, a empresa perdeu cerca de R$ 53 bilhões em valor de mercado. Após a crise, a tensão entre Prates e o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, piorou.

O clima parecia apaziguado e no início do mês a estatal aprovou o pagamento de 50% dos dividendos extraordinários, porém, o desgaste entre Prates e o governo fez com que Lula optasse pela demissão.

Logo após a divulgação da demissão de Prates, as ações da estatal caiam mais de 7% no pós mercado na bolsa de Nova York.

Em nota a acionistas, a Petrobras diz que recebeu nesta noite uma solicitação de Prates para que o Conselho de Administração da Companhia se reúna para apreciar o encerramento antecipado de seu mandato como Presidente da Petrobras de forma negociada, não mencionando a demissão feita por Lula. “Adicionalmente, o Sr. Jean Paul informou que, se e uma vez aprovado o encerramento indicado, ele pretende posteriormente apresentar sua renúncia ao cargo de membro do Conselho de Administração da Petrobras”.

Continua após a publicidade

Indicação

A indicada de Lula para a presidência da estatal, Magda Chambriard, foi diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) no governo Dilma Rousseff (PT). Ela também é consultora na área de óleo, gás e biocombustíveis e trabalhou na Petrobras por mais de 20 anos.

Prates foi indicado para o cargo antes mesmo de Lula tomar posse, em dezembro de 2022. O então presidente eleito comunicou a indicação por meio de uma postagem em rede social. Advogado e economista, Prates também atuou como empresário e dirigente sindical. Na década de 80, participou da assessoria jurídica da Petrobras Internacional (Braspetro) e trabalhou na regulação dos setores de petróleo, energia renovável, biocombustíveis e infraestrutura nos governos Fernando Henrique Cardoso e Lula.

Ele também foi secretário de Estado de Energia e Assuntos Internacionais do Rio Grande do Norte e, em 2014, foi suplente na chapa de Fátima Bezerra (PT), eleita ao Senado. Em 2019, após a senadora ser eleita governadora do Rio Grande do Norte, Prates assumiu o mandato como titular até 2022, quando foi indicado para o cargo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.