Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Lucro dos bancos privados sobe 26,9% no ano

Apesar da desaceleração econômica, ganhos do Itaú, Bradesco e Santander somaram R$ 27,4 bilhões com aumento da demanda por intermediação financeira

Por Da Redação - 5 nov 2014, 10h58

A desaceleração da economia brasileira parece não ter prejudicado o balanço financeiro dos três maiores bancos privados do país. Itaú Unibanco, Bradesco e Santander lucraram ao todo 27,4 bilhões de reais nos primeiros nove meses de 2014, o que representa uma alta de 26,9% ante igual período de 2013. O lucro também ficou em 9,8 bilhões de reais no terceiro trimestre, aumento de 29,9% na mesma base de comparação. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira pelo jornal Valor Econômico.

Os bancos superaram o enfraquecimento da atividade brasileira por meio de estratégias como o controle de riscos mais rígidos e o reajuste das taxas de juros. A elevação da taxa básica de juros (Selic) estimulou a demanda por intermediação financeira. O serviço proporcionou ganhos de 70,1 bilhões de reais entre janeiro e setembro, alta de 15% ante igual período do ano anterior. Um saldo positivo com tesouraria e uma menor concorrência com os principais bancos públicos também contribuíram para os resultados do Itaú Unibanco, Bradesco e Santander.

Leia também:

Itaú Unibanco tem lucro trimestral 35% maior que no ano passado

Publicidade

Lucro do Santander Brasil sobe 8% no 3º tri, para R$ 537 milhões

Bradesco tem lucro de R$ 3,87 bilhões no 3º tri

Ponderação – Os três bancos privados precisaram reduzir as projeções de crescimento do crédito para 2014, por se tratar do segmento mais prejudicado pela desaceleração econômica. Apesar disso, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander tiveram um desempenho que superou a média dos bancos privados. As carteiras encerram o terceiro trimestre com 1 trilhão de reais, aumento de 8,5% em doze meses e de 3% na comparação com o segundo trimestre.

Publicidade