Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lucro do Minerva no 4º tri é estimado em R$ 12,73 mi

Por Suzana Inhesta

São Paulo – Analistas de cinco bancos e corretoras consultados pela Agência Estado (Barclays Capital, Bank of America Merrill Lynch, Deutsche Bank, Santander Corretora e Fator Corretora) esperam que o frigorífico Minerva registre, em média, um lucro líquido de R$ 12,73 milhões no quarto trimestre de 2011. Se confirmado, o resultado ficará 57,4% abaixo do montante de R$ 29,862 milhões do mesmo período de 2010. O Minerva divulgará seus números do quarto trimestre e de 2011 na próxima segunda-feira, após o fechamento do mercado.

O Ebitda do período, segundo projeções dos analistas, deverá ser de R$ 92,4 milhões, com uma margem de 9,3%. No quarto trimestre de 2010, a cifra foi de R$ 85,054 milhões, com margem de 9,8%. Para a receita líquida, os especialistas esperam um total de R$ 1,061 bilhão, 22,6% superior aos R$ 865,554 milhões de outubro a dezembro de 2010.

No geral, os analistas esperam mais um recorde de receita trimestral, já que os três últimos meses do ano são de demanda aquecida no mercado interno. Além disso, o câmbio foi mais favorável. O dólar médio do período ficou em R$ 1,80, ante R$ 1,70 no quarto trimestre de 2010 e R$ 1,64 no terceiro trimestre. “Estamos prevendo um crescimento na receita do Minerva de quase 33%, com um montante total de R$ 1,15 bilhão, beneficiada por uma demanda forte e um câmbio favorável às exportações”, afirmaram em relatório os analistas do Deutsche Bank Jose Yordan e Rebeca Sanchez Sarmiento.

Já o analista do Barclays Capital Gabriel Vaz de Lima lembra que a empresa poderá apresentar expansão de margens no trimestre devido também à estabilidade dos preços do boi gordo no período. De acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Cepea/Esalq/USP), as cotações à vista do boi gordo, medido pelo indicador do boi gordo Esalq/BM&F, tiveram alta de 2,3% durante o quarto trimestre, ante avanço de 2,9% no decorrer do terceiro trimestre e aumento de 11,3% no quarto trimestre de 2010.

Quando se compara o preço final da matéria-prima no último dia de dezembro de 2011 e da mesma data de 2010, o valor do ano passado é 3,6% inferior ao de 2010. Ainda segundo Lima, o nível recorde de vendas do Minerva entre outubro e dezembro de 2011 será também impulsionado pela expansão de utilização da capacidade vista durante todo o ano passado.

Apesar das projeções otimistas do mercado, os investidores ficarão atentos ao comportamento dos preços dos produtos da companhia vendidos no mercado interno. O período é um dos mais favoráveis para o reajuste de valores, pois a demanda é aquecida por conta das festas de final do ano.

Um outro ponto de atenção é a alavancagem da companhia, considerada alta. Ao final do terceiro trimestre, o grau de alavancagem do Minerva, medido pela relação dívida líquida e Ebitda, era de 3,88x, com uma dívida líquida de R$ 1,251 bilhão.