Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Líderes da União Europeia concordam com disciplina fiscal

Há consenso sobre conteúdo, diz fonte. Mas falta definir formato jurídico da proposta. Debate é tenso: antes de reunião, Sarkozy e Cameron discutiram

Por Da Redação 8 dez 2011, 20h44

Os dirigentes da União Europeia (UE) chegaram a um acordo preliminar nesta quinta-feira sobre o endurecimento da disciplina fiscal na zona do euro, durante a cúpula de líderes da região que ocorre em Bruxelas, informou um diplomata à Agencia France-Presse. “Há um acordo de princípio sobre o conteúdo, mas falta resolver a forma” jurídica, disse a fonte.

O caminho para que os detalhes sejam acertados, porém, parece ainda longo. Antes mesmo de a reunião de cúpula ter início, o premiê inglês, David Cameron, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, bateram boca.

As autoridades europeias iniciaram nesta quinta-feira, em Bruxelas, o que muitos consideram como a “última oportunidade” para salvar o euro. “Há um acordo sobre o conteúdo”, mas ainda persistem divisões entre França e Alemanha, de um lado, e o restante da zona do euro e da UE sobre como obter a união fiscal.

Sarkozy e Angela Merkel tinham divulgado na quarta-feira uma proposta detalhada para a reforma europeia. A chanceler alemã e o presidente francês defendem uma reforma dos tratados que inclua a imposição de sanções automáticas aos países que violem o teto do déficit europeu: 3% do PIB. Para facilitar a adoção da medida, a dupla propôs limitar a reforma do tratado aos 17 países da zona do euro, deixando a porta aberta para futuras adesões.

Angela Merkel advertiu no início do encontro que essa reunião é chave para restituir a credibilidade do euro, e que o caminho é o endurecimento da disciplina fiscal. Já Sarkozy disse que “não teremos uma segunda oportunidade”. “Quanto mais tarde tomarmos esta decisão, mais custosa e menos eficaz ela será”.

Além da proposta de reforma dos tratados para reforçar a disciplina fiscal, com a imposição de sanções automáticas, os 27 países da UE discutirão a ideia do presidente do grupo, Herman Van Rompuy, de dar ao mecanismo de estabilidade financeira (MEDE) – que substituirá o fundo de resgate europeu – os mesmos poderes que o de um banco, o que lhe permitiria pedir dinheiro ao Banco Central Europeu (BCE). Os líderes também devem voltar a debater a emissão de eurobônus para amortizar a dívida dos Estados.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, por sua vez, descartou nesta quinta-feira uma intervenção maior do organismo na crise, o que provocou fortes quedas nos mercados de ações.

(com Agence France-Presse)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês