Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Leilão de transmissão de energia teve poucos interessados

Tradicionais empresas do setor não participaram tão ativamente como se esperava. Grupo J&F foi um dos principais vencedores

O leilão de transmissão de energia realizado nesta sexta-feira terminou com pouca participação das empresas tradicionais do setor, num certame em que principais vencedoras foram consórcios formados por empresas de engenharia, e com o FIP Caixa Milão, fundo do grupo J&F saindo como uma das ganhadoras em dois lotes. A holding é controlada pelos irmãos Joesley e Wesley Batista – e é controladora da JBS.

O deságio médio do leilão foi de 12,76%, bem menor que a média de todos os leilões já realizados no país, de 26,11%, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Dois de sete lotes do leilão não receberam oferta: A e G. O lote A, que colaboraria para conectar o Acre ao sistema interligado nacional, já tinha sido oferecido em leilão realizado em dezembro de 2012, quando também não recebeu lances. Já o lote G é necessário para atender o crescimento de carga da região nordeste do Maranhão.

Leia mais:

EPE prevê R$ 14,6 bi para transmissão até 2017

Concessões de usinas leiloadas até 2004 serão devolvidas

Furnas, do grupo Eletrobras, foi a única grande empresa mais tradicional do setor a sair vencedora com 39% de participação no consórcio com FIP Caixa Milão e com a goiana Celg. Esse consórcio venceu o lote B do certame, com empreendimentos no Distrito Federal e Goiás e deságio de 11,63%.

Outro consórcio formado por FIP Caixa Milão, Bimetal Energia e Geoenergia Soluções de Sistemas de Energia venceu a disputa do lote C do leilão de transmissão de energia, o maior do certame em valor de receita, ao oferecer um desconto de 13,46% em relação à receita máxima permitida. O lote fica na Bahia e Piauí.

Já o consórcio formado por MFG Engenharia e Incorporações e a Geoenergy Energia e Serviços venceu dois lotes – D e E – um no Rio Grande do Sul e outro no Rio Grande do Norte, oferecendo deságios de 17,35% e 10,7%, respectivamente.

Leia também:

Governo acelera estudos para linha de transmissão de energia de Belo Monte

Conta das usinas térmicas vai parar na Justiça

O vencedor do lote F, localizado no Mato Grosso do Sul e o menor do leilão em valor de receita, foi definido por sorteio, depois que os dois concorrentes apresentaram lances idênticos e não quiseram reduzi-lo em competição a viva-voz.

O Consórcio formado por CEL Engenharia (51%) e a goiana Celg GT (49%) venceu o lote F ao oferecer um desconto de 5% em relação à receita máxima permitida, e garantir receita anual de 4,258 milhões de reais por ano quando os empreendimentos entrarem em operação.

(com agência Reuters)