Clique e assine com até 92% de desconto

Leilão de petróleo: o que está à venda?

Agência Nacional do Petróleo estima reservas entre 6 bilhões e 15 bilhões de barris de óleo equivalente

Por da Redação Atualizado em 6 nov 2019, 07h43 - Publicado em 6 nov 2019, 07h10

O governo federal realiza nesta quarta-feira, 6, a partir das 10h, no Rio de Janeiro, o que pode ser a maior venda de petróleo do mundo. Serão leiloadas quatro áreas do pré-sal na bacia de Santos: Búzios, Sépia, Atapu e Itapu. A área total dos quatro campos é de cerca de 1.400 km², no litoral do estado do Rio de Janeiro. A maior área é a de Búzios, com 852 km², e com a maior concentração de petróleo. A Agência Nacional do Petróleo estima que existam entre 6 bilhões e 15 bilhões de barris de óleo equivalente excedente na área.

Os riscos nas áreas são mínimos, uma vez que a Petrobras já realizou trabalhos de desenvolvimento e já se sabe que há bilhões de barris de petróleo a serem extraídos. Búzios é a grande aposta, pela quantidade de petróleo encontrado e também pela sua qualidade. Por isso, o esperado é que a Petrobras apresente uma oferta alta pela área e que esse campo desperte mais apetite dos investidores do que os demais.

A Petrobras já mantém plataformas na área da cessão onerosa e manifestou interesse em manter o direito de preferência nos campos de Búzios e Itapu no leilão. O campo de Búzios já é o segundo maior em produção de petróleo no Brasil. Espera-se arrecadar com essa área 68,2 bilhões de reais. A segunda mais valiosa é a de Sépia, com recursos previstos de 22,9 bilhões. Atapu está estimada em 13,7 bilhões. Já a venda de Itapu, a menor, é projetada em 1,8 bilhão de reais. O governo também garantirá um percentual mínimo de óleo a partir da exploração das áreas. Em Búzios, são 23,24% garantidos. Em Sépia, 27,88%. Em Itapu, 18,15%. E em Atapu, 26,23%.

Pelas regras do leilão, as operadores que decidirem fazer lances pelas áreas serão obrigadas a ofertarem propostas pelas quatro. Isso significa que, caso estejam determinadas a comprar o campo de Búzios, por exemplo, terão de realizar ofertas mínimas pelas outras três áreas. Contudo, a Petrobras já exerceu seu direito de preferência em relação às áreas de Búzios e Itapu — ou seja, para não perder o leilão, terá que declinar da opção de igualar a melhor proposta. A empresa vencedora ficará responsável pela condução e execução de todas as atividades previstas no contrato.

Continua após a publicidade
Publicidade