Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Leilão de hidrelétricas surpreende, arrecada R$ 17 bi e reforça caixa do governo

Do total das outorgas, 11 bilhões de reais entrarão nos cofres públicos ainda neste ano e ajudarão no resultado fiscal do país de 2015

O leilão de hidrelétricas existentes promovido pelo governo federal nesta quarta-feira superou expectativas e vendeu todos os ativos oferecidos, o que representa uma arrecadação de 17 bilhões de reais em bônus de outorga por usinas que somam 6 mil megawatts.

Do total das outorgas, 11 bilhões de reais deverão ir ainda neste ano para os cofres públicos, ajudando no resultado fiscal do país de 2015, conforme previsão do Tesouro Nacional. O restante ficará para 2016.

O grupo chinês China Three Gorges se destacou ao arrematar o principal lote leiloado, as usinas Jupiá e Ilha Solteira, que pertenciam à Cesp, oferecendo bônus de 13,8 bilhões de reais. Entre as brasileiras, as estatais estaduais levaram a melhor, com Cemig, Copel, Celg e Celesc arrematando usinas, enquanto a italiana Enel Green Power completou a lista dos vitoriosos pelo lado dos investidores estrangeiros.

A maior vitória após os chineses, que ficaram com as usinas do lote E, foi da mineira Cemig, que levou 18 usinas do lote D por 2,2 bilhões de reais em outorga. Entre as hidrelétricas arrematadas pela companhia, que somam cerca de 700 megawatts, a maior é de Três Marias, com 396 megawatts.

A Copel também conseguiu continuar com a maior de suas usinas que teve concessão ofertada, a Parigot de Souza, com 260 megawatts, com o pagamento de 574,8 milhões de reais em bônus de outorga.

A usina pertencia ao lote B, junto com outras hidrelétricas que pertenciam à Copel, Mourão e Paranapanema. Elas foram levadas pela Enel Green Power, que pagará bônus de 160,7 milhões de reais pelos ativos.

Leia mais:

Senado aprova MP 688 com apoio a hidrelétricas

Ibama libera licença de operação para Belo Monte

Já a goiana Celg arrematou a usina Rochedo, de 4 megawatts, a menor do leilão, no lote A, com outorga de 15,8 milhões. O ativo foi o único a registrar disputa, com a Celg e o consórcio Juruena apresentando 30 lances, até a goiana levar a hidrelétrica com deságio de 13,6% em relação à receita teto estabelecida.

Na última disputa, do lote C, a catarinense Celesc ficou com cinco hidrelétricas que somam 63 megawatts, com o pagamento de 228,5 milhões de reais em bônus.

Outras empresas, como CPFL Renováveis, Energisa e os consórcios Energia Livre, Juruena e CEI-Recimap, chegaram a se habilitar, mas sequer fizeram propostas, à exceção do grupo Juruena, que disputou o lote A com a Celg.

As usinas ofertadas no leilão estavam com concessões vencidas, sendo operadas pelos antigos concessionários mediante o pagamento de uma receita que cobre custos de operação e manutenção. Agora, as empresas vencedoras terão um período de transição para assumir os ativos. Em alguns casos, como nos de Copel, Cemig e Celesc, não será necessária a troca de comando.

(Com Reuters)