Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça suspende demissões de professores da Metodista

Justiça dá 5 dias de prazo para a Metodista informar os nomes dos demitidos e esclarecer o que motivou cada uma das dispensas

A 8ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo suspendeu as 66 demissões de professores realizadas pela Universidade Metodista de São Paulo. Os docentes foram desligados em dezembro, segundo o Sindicato dos Professores de Santo André (Sinpro ABC).

A decisão em caráter liminar foi dada na ação civil pública ajuizada pelo Sinpro ABC. Dos demitidos, 50 eram professores do ensino superior e 16 da educação básica. O sindicato informa que os cursos mais atingidos pelos cortes são os de Administração, Psicologia, Ciências da Religião e Comunicação.

Na decisão, a juíza Valéria Pedroso de Moraes dá 5 dias de prazo para a Metodista informar os nomes dos demitidos e esclarecer o que motivou cada uma das dispensas. A juíza também condiciona que possíveis novas demissões sejam negociadas com o sindicato e sejam previamente comunicadas.

Procurada, a Metodista informou que não foi intimada oficialmente até o momento e que se pronunciará sobre o caso quando isso ocorrer.

ainda não se manifestou sobre a decisão. No fim de 2017, várias universidades demitiram professores – caso da Estácio e Fundação Cásper Líbero.

Para os sindicatos de professores, as demissões são consequência da reforma trabalhista, em vigor desde novembro, que permite a contratação pelo regime intermitente – somente quando há necessidade, sem exigência de pagamento de um valor mínimo.

O Sinpro ABC pediu também a readmissão dos professores demitidos, pagamento dos salários atrasados e abstenção de novas demissões coletivas.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Falar que foi por causa da reforma trabalhista é bobagem e muita safadeza dos sindicatos.
    A questão é que o PT jogou no lixo o ensino superior, com a distribuição de FIES a rodo, começou o compra compra de universidades e a proliferação de “universidades” e vagas, agora que a crise chegou e o FIES secou, as universidades começaram a demitir. Sem contar o fato de estarem transmitindo um conhecimento ralo e fraco aos alunos.

    Curtir