Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça solta três envolvidos na adulteração de leite no RS

Um dos suspeitos admitiu que adicionava água e ureia no produto e inocentou o irmão; oito pessoas continuam presas

A Justiça atendeu o pedido do Ministério Público do Rio Grande do Sul e soltou nesta sexta-feira três suspeitos no esquema de adulteração do leite no estado. As prisões haviam ocorrido na última quarta-feira.

O transportador Antenor Signor, o irmão dele, o agricultor Adelar Signor, e o motorista Odirlei Fogalli, moradores da cidade de Rondinha, aguardarão o andamento do inquérito em liberdade. Os suspeitos poderão até responder ao processo longe da prisão, beneficiados por terem colaborado com a investigação.

Em depoimento, o transportador Antenor Signor admitiu que adulterava o leite adicionando uma mistura de ureia e água ao volume que recolhia de produtores rurais. Depois, ele entregava o leite em um posto de resfriamento na cidade de Selbach, de onde a carga era enviada à Confepar, uma cooperativa do Paraná.

Leia ainda: Leite adulterado: mais quatro pessoas são presas no RS

Presos suspeitos de adulterar leite em Goiás

Empresas de transporte de leite adulteram produto no RS

Ao mesmo tempo, Antenor inocentou seu irmão, afirmando que ele não participava da fraude. Já Odirlei Fogalli também conduzia caminhões de recolhimento de leite na região e teria conhecimento da adulteração.

A Confepar emitiu nota afirmando que as suspeitas de que comprava leite adulterado são infundadas e “uma estratégia da quadrilha responsável pela adulteração” para, com isso, “desviar a atenção da mídia e da investigação para as indústrias”.

Desde que os promotores e uma força policial começaram a cumprir mandados de prisão, no dia 8 de maio, foram detidos 13 acusados. Os três liberados nesta sexta-feira se somam a outros dois que foram soltos no mesmo dia do depoimento, em 8 de maio – os outros oito continuam presos.

(com Estadão Conteúdo)