Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Justiça sequestra 49 carros da BBom

A frota confiscada inclui 26 carros de luxo que, avaliada em R$ 3,5 milhões

Por Da Redação - 29 ago 2013, 12h53

A Justiça Federal em São Paulo decretou o sequestro de 49 veículos da Embrasystem Tecnologia em Sistemas, que opera no mercado multimídia. A empresa é investigada por suposta criação de pirâmide financeira por meio da BBom, seu braço de venda direta. A decisão é do juiz Marcelo Costenaro Cavali, da 6.ª Vara Criminal Federal, que acolheu pedido da Procuradoria da República.

A frota confiscada inclui 26 carros de luxo, sendo dezessete Mercedes Benz, quatro Lamborghines, uma Maserati, três Ferraris e um Rolls Royce Ghost que, segundo a Polícia Federal, está avaliado em 3,5 milhões de reais.

Leia também:

Para Justiça, possível mentor da TelexFree é ‘especialista’ em pirâmides

Publicidade

Depois de TelexFree e BBom, sobe para 80 número de empresas investigadas

Segundo a PF, a Embrasystem atua com venda de rastreador de veículos, mas o equipamento seria apenas o pretexto para arrecadar recursos e atrair novos clientes. O juiz ordenou o confisco porque a PF encontra dificuldades em localizar a frota que faria parte do patrimônio da Embrasystem destinado a sorteios. Os carros poderão servir de garantia para ressarcir danos a investidores e à União.

Cavali também mandou bloquear 479 milhões de reais em contas bancárias de dirigentes da empresa e de pessoas que investiram na pirâmide – desse montante, 18,5 milhões de reais já foram efetivamente congelados. A investigação corre sob segredo de Justiça por ordem de Cavali. A estimativa da PF é que pelo menos 200 mil investidores formam a pirâmide – a PF diz que em apenas 60 dias aderiram ao bolo 85 mil investidores.

Os sócios da Embrasystem podem sofrer acusação formal por lavagem de dinheiro e violação aos artigos 5.º (desvio de valores) e 16.º (operar instituição financeira sem autorização do Banco Central) da Lei 7.492/86, que define os crimes contra o sistema financeiro.

Publicidade

Em julho, a Justiça Federal em Goiânia já havia decretado embargo de 315 milhões de reais da Embrasystem em decisão de âmbito cível.

Leia ainda:

TelexFree tenta angariar brasileiros para ‘investir’ no Paraguai

Decisão sobre TelexFree e BBom não deve sair em 2013

Publicidade

Além da BBom, uma segunda empresa, a Unepxmil, faz parte do grupo. A BBom informa que desenvolve suas atividades baseada na venda de pacotes para interessados. �No momento que ela (BBom) está vendendo um pacote a um determinado cliente, além de estar �captando� o desejado recurso, também está criando um novo cliente para a Unepxmil.�

Resposta – Em nota sobre as investigações, a Embrasystem disse que está �confiante no desfecho da situação que envolve a empresa BBom com a Justiça�. �”Por mais que esperemos que se resolva, a cada dia que passa fica mais complicado, pois quem vive marketing multinível sabe que tem que matar um leão a cada dia para sobreviver em um meio que ficou tão injustiçado pelo poder brasileiro”, diz a nota.� A Embrasystem colocou em seu site certidão de �nada consta� contra a empresa, expedida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade