Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça determina que Vale pague R$ 18 milhões em indenizações

Decisão foi tomada depois de o Ministério Público do Trabalho do Maranhão ter aberto investigações contra a mineradora pela morte de cinco trabalhadores no estado

Por Da Redação 25 nov 2013, 19h33

O juiz da 7ª Vara do Trabalho de São Luís, Francisco Tarcísio Almeida de Araújo, determinou que a Vale pague 18,9 milhões de reais em indenizações por ter ignorado normas ambientais e de segurança do trabalho que teriam evitado as mortes de cinco trabalhadores da empresa no Maranhão. O valor do dano moral coletivo corresponde a 0,05% do lucro líquido obtido pela Vale em 2011 – 37,8 bilhões de reais.

A Vale opera uma ferrovia no estado e o maior porto exportador de minério de ferro do Brasil. Três funcionários da empresa e dois prestadores de serviços morreram nos últimos anos, segundo os procuradores públicos que investigam o caso.

Além das indenizações, a Vale poderá ter de pagar multas diárias de até 20 milhões de reais se não cumprir 31 medidas corretivas determinadas pelo tribunal. Em fevereiro, ao abrir o processo, os procuradores do Ministério Público do Trabalho do Maranhão inicialmente pediam uma indenização de 37,8 milhões reais à Vale.

Leia também:

Trabalho infantil cai no país, mas cresce em duas regiões

Continua após a publicidade

Construtora OAS é investigada por trabalho degradante em Cumbica

Lucro da Vale no trimestre sobe 139% e alcança R$ 7,9 bi

Entre outras coisas, a empresa terá de prover água potável a seus trabalhadores, instalar barreiras para evitar quedas nas instalações portuárias e implementar um programa de prevenção de riscos ambientais. A empresa também terá de garantir que prestadores de serviços terceirizados também cumpram essas normas.

“Essa condenação deve servir de caráter pedagógico para que outras empresas não negligenciem o cumprimento das normas. Algumas das irregularidades contribuíram para que ocorressem os acidentes fatais na área da Vale”, disse a procuradora-chefe do MPT-MA, Anya Gadelha Diógenes.

De acordo com o MPT-MA, o órgão investiga a Vale desde 2007 e, durante desse período, abriu seis inquéritos civis para apurar denúncias de negligência a normas de saúde, meio ambiente e segurança do trabalho.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês