Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça autoriza recuperação judicial da antiga MPX, de Eike

Eneva, hoje controlada pela alemã E.ON, tem um endividamento de 2,3 bilhões de reais

A Eneva, antiga MPX, de Eike Batista, informou nesta terça-feira que o juiz da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro decidiu autorizar o processamento da recuperação judicial da companhia e de sua subsidiária, a Eneva Participações. O juiz decidiu, também, pela nomeação da Deloitte Touché Tohmatsu como administrador judicial.

Os planos de recuperação da Eneva e da Eneva Participações serão apresentados em até 60 dias. A empresa tem um endividamento da ordem de 2,3 bilhões de reais.

A empresa de energia, antiga MPX, entrou com pedido de recuperação judicial, em caráter de urgência, em 9 de dezembro. Atualmente, conforme o site da companhia, o maior acionista da Eneva é a alemã E.ON, com 42,9%, enquanto o empresário Eike Batista possui 20%.

Desta forma, a Eneva se junta a outras empresas ligadas a Eike que entraram em recuperação judicial, casos da petroleira OGX, da empresa de construção naval OSX e da MMX Sudeste Mineração, controlada pela MMX Mineração e Metálicos.

O pedido decorre do fato de não ter sido alcançado um acordo entre a companhia e instituições financeiras na implementação de um plano de estabilização visando ao fortalecimento da estrutura de capital e medidas para o reperfilamento de suas dívidas financeiras.

Leia também:

Eneva dá calote de mais de US$ 9 milhões no Credit Suisse

Eike Batista é processado por aprovar contas da ex-OGX irregularmente

Eike termina ‘tranquilo’ 1º dia de julgamento por crime financeiro

As demais subsidiárias da Eneva não foram incluídas no pedido de recuperação judicial e as usinas permanecem em operação normalmente.

(Com Estadão Conteúdo)