Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça acusa nove executivos do BicBanco de fraude

Segundo acusação, irregularidades envolvem documentação incompleta e falta de análise adequada da capacidade financeira dos clientes

A Justiça Federal recebeu uma denúncia criminal contra nove executivos e dirigentes do BicBanco, acusados de gestão temerária, indução em erro de investidor e inserção de dado falso em demonstrativos contábeis. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os acusados fizeram com que a instituição deixasse de constituir provisão (reserva) para um risco de crédito avaliado em 611,46 milhões de reais.

Entre os denunciados estão José Bezerra de Menezes, diretor presidente do banco na época dos fatos, Milto Bardini, diretor vice-presidente operacional e responsável pela carteira comercial de crédito, financiamento e investimento, e Carlos José Roque, diretor responsável pela área contábil e gerenciamento de risco de crédito.

Segundo a acusação, os três foram “responsáveis pela gestão de carteira de crédito em desacordo com os dispositivos que regem a atividade bancária, notadamente em afronta aos princípios da seletividade, liquidez e garantia”.

Os outros seis denunciados são Daniel Josepe Macquoid, Francisco Humberto Bezerra, José Adauto Bezerra, Carlos Eduardo Sampaio Lofrano, Heraldo Gilberto de Oliveira e Walter Mallas Machado de Barros. “Há justa causa (para recebimento da denúncia), lastro probatório mínimo de materialidade e autoria”, decidiu o juiz Marcelo Cavali, da 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo.

Leia mais:

Bancos lucraram 8 vezes mais no governo de Lula do que no de FHC

Banco BVA entra com pedido de falência

Dilma ataca bancos, mas é a favorita do setor nas eleições

A decisão do juiz foi publicada em junho, mas os autos do caso BicBanco ficaram à espera de uma ampla redistribuição dos processos sobre crimes financeiros e agora foram deslocados para a 10ª Vara Criminal Federal.

O BC apontou insuficiência de dados cadastrais, documentação incompleta, falta de análise adequada da capacidade financeira dos clientes, aditamentos para liquidação de operação vencida, garantias de avais sem a devida análise da capacidade de pagamento dos avalistas, entre outras irregularidades.

Em novembro de 2013, o BicBanco vendeu seu controle, equivalente a 73,96% do capital total, para o China Construction Bank Corporation (CCB) por 1,62 bilhão de reais.

(Com Estadão Conteúdo)