Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Juiz chama última proposta da Argentina de inválida e ilegal

Governo argentino tentou transferir o pagamento de bônus da dívida para Buenos Aires. Banco La Nación se tornaria o agente de pagamento dos títulos

Por Da Redação 21 ago 2014, 18h42

O juiz norte-americano Thomas Griesa qualificou a última proposta anunciada pela Argentina como “inválida e ilegal”. O juíz acrescentou durante audiência realizada nesta quinta-feira que a proposta viola as ordens dadas pela Justiça dos Estados Unidos. A presidente Cristina Kirchner apresentou na terça-feira um projeto de lei que prevê a alteração do lugar de pagamento dos bônus emitidos nas trocas de dívida de 2005 e 2010, quando grande parte dos credores aceitou grandes descontos na dívida que vinha sendo paga regularmente – mas não os chamados fundos abutres.

O que são fundos abutres?

Fundo abutre é um jargão do mercado financeiro usado para classificar fundos de hedge que investem em papéis de países que deram calote – atuam, em especial, na América Latina e na África. Sua atuação é perfeitamente legítima. O termo abutre foi criado para diferenciá-los dos fundos convencionais, justamente por trabalharem como “agiotas” de países caloteiros, emprestando dinheiro em troca de “títulos podres”. São considerados pelo mercado uma espécie de “investidor de segunda linha”. Sua atuação consiste em comprar títulos da dívida de nações em default por valor irrisório para depois acionar o país na justiça e tentar receber ganhos integrais. Os “abutres” compraram os papéis da dívida argentina por 48,7 milhões de dólares em 2001 e querem receber, hoje, cerca de 1 bilhão de dólares. A Argentina, por sua vez, tenta escapar do pagamento. O país teme que, caso aceite pagar os “abutres” integralmente, os 92% de credores que aceitaram a renegociação da dívida em 2005 e 2010 possam buscar na Justiça o direito de receber ganhos integrais. Neste caso, o pagamento poderia reduzir as reservas internacionais do país a praticamente zero. Outro agravante é que, devido ao histórico de calotes e decisões econômicas escandalosas do país, sua credibilidade para negociar com credores está fortemente abalada.

Leia mais:

Credores tentam ligar os Kirchners a atos de corrupção

Após calote, Argentina contesta decisão dos EUA na Corte de Haia

Juiz diz que calote não significa fim das negociações com a Argentina

Com o novo projeto de lei, o governo argentino quer permitir que os credores da dívida reestruturada possam trocar seus títulos, se assim desejarem, por novos papéis com as mesmas condições, mas regidos por leis argentinas. A proposta também fará com que os detentores dos títulos atuais possam cobrar em Buenos Aires com um agente fiduciário local. O projeto estabelece ainda que o estatal Banco La Nación substituirá o Bank of New York Mellon (Bony) como agente de pagamento dos títulos sob lei estrangeira.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)