Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

JPX: a aventura de Eike Batista na indústria automotiva

Jipe fabricado em Minas Gerais na década de 1990 era bom no quesito fora-de-estrada. Quando não fervia.

Por Revista Quatro Rodas - Atualizado em 1 fev 2017, 20h58 - Publicado em 1 fev 2017, 10h59

Antes do Grupo EBX – conglomerado com empresas ligadas a geração de energia, extração de petróleo, logística, construção naval e mineração de ferro –, entrar para o rol dos mais ricos do mundo e bem antes de ver seu império ruir, o empresário Eike Batista, hoje investigado por corrupção ativa, se aventurou na indústria automotiva. Ele fabricou um jipe no Brasil.

O ano era 1992. Àquela altura, Eike tinha 36 anos e já havia se tornado milionário com comércio e mineração de ouro e diamantes na amazônia. Com o Jeep Willys fora de linha havia 10 anos, a necessidade um utilitário para uso nas plantas de mineração que também atendesse ao mercado nacional fizeram o empresário comprar os direitos para produção do francês Auverland A-3 no Brasil.

Com poucas mudanças no projeto original, nascia o JPX Montez. A empresa alugou a antiga fábrica de máquinas de escrever e calcular da Facit, em Pouso Alegre (MG) e ali iniciou em 1993 a produção do utilitário. A promessa era de que 250 carros seriam fabricados por mês, mas durante o primeiro ano a média foi de 120 carros mensais.

Leia o restante desta história no site da revista QUATRO RODAS

Publicidade