Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Johnson & Johnson terá que pagar US$ 55 milhões para cliente vítima de câncer

Essa é a segunda vez que ela é condenada neste ano em processos movidos pelas famílias de mulheres que usavam talco em pó fabricado pela empresa

Por Da Redação - 3 maio 2016, 12h55

A empresa americana Johnson & Johnson foi condenada nesta segunda-feira por um júri dos Estados Unidos a pagar 55 milhões de dólares (cerca de 195 milhões de reais) para uma mulher que desenvolveu câncer de ovário após uso contínuo do talco em pó da marca por 40 anos.

Gloria Ristesund, de 62 anos, foi diagnosticada com câncer de ovário em 2011. A americana de Dakota do Sul teve de remover o útero. Após a operação, os médicos encontraram talco no tecido de seu ovário.

De acordo com reportagem do portal Business Insider, Gloria receberá 50 milhões de dólares pelos danos causados e outros 5 milhões de dólares como compensação adicional.

Esse é o segundo processo do gênero que a empresa perde. A J&J encara 1.200 ações judiciais que a acusam de não alertar de forma adequada os consumidores sobre os riscos de câncer que há em seus produtos à base de talco.

Publicidade

A porta-voz da companhia Carol Goodrich disse que o veredicto contradisse 30 anos de pesquisa sobre a segurança do talco de uso cosmético. A empresa pretende recorrer e diz que vai continuar a defender a qualidade e segurança de seus produtos, disse a porta-voz.

Em fevereiro, a companhia foi condenada a pagar 72 milhões de dólares no mesmo tribunal para a família de uma mulher que morreu de câncer de ovário após anos de uso de talco em pó para higiene feminina.

Após anúncio da condenação, as ações da empresa caíram 18 centavos de dólar, para 112,57 dólares.

Leia também:

Publicidade

Dólar sobe mais de 2% e chega a atingir R$ 3,56

Lucro do Itaú cai 9,5% no primeiro trimestre, para R$ 5,1 bi

(Da redação)

Publicidade