Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

JBS suspende comércio de carne europeia

Após ser constatada presença de DNA de cavalo em produtos fornecidos pela empresa brasileira à Nestlé, as vendas estão suspensas no continente, conforme comunicado de sua subsidiária belga JBS Toledo

A empresa brasileira JBS, líder mundial do processamento de carne bovina e pertencente à holding J&F, anunciou nesta terça-feira a suspensão da comercialização de carne europeia, explicando que não tem nenhum tipo de envolvimento na fraude com carne de cavalo na Europa.

De acordo com o comunicado, a JBS Toledo, escritório comercial da empresa brasileira na Bélgica, “não comercializará mais produtos europeus até que se restabeleça a confiança na segurança do sistema de fornecimento”.

A suíça Nestlé, empresa líder no setor de alimentação mundial, anunciou na noite de segunda-feira a retirada das prateleiras da Espanha e Itália, dois países até então à margem do escândalo, de duas marcas de pratos prontos com carne bovina: Buitoni Beef Ravioli e Beef Tortellini. A decisão foi provocada pela descoberta de traços de DNA de cavalo nos dois produtos de carne bovina que a empresa fornece para a Nestlé e, por sua vez, são fornecidas para a JBS Toledo pela H.J Schypke.

Leia também:

Fraude alimentar deixa consumidores de mãos atadas

Escândalo da carne de cavalo afeta a imagem de todas as carnes, diz diretor da Abiec

Alemanha quer plano rígido para evitar novos escândalos como o da carne de cavalo

“Quando informações sobre a fraude na embalagem de alimentos emergiu no Reino Unido, reforçamos os testes em produtos e matérias primas que usamos na Europa. E estamos, agora, suspendendo as entregas de produtos fornecidos pela empresa alemã H.J. Schypke, que é subcontratada de um de nossos fornecedores, a JBS Toledo N.V”, informou a Nestlé na ocasião.

Contudo, a JBS é enfática no comunicado ao dizer que a Schypke “não pertence a seu grupo econômico nem mantém qualquer relação empresarial ou operacional com a empresa”. A empresa brasileira destaca ainda que, no caso mencionado, “todo o processo operacional e logístico foi executado pelo produtor alemão, que enviava o produto diretamente ao cliente final”.

Também destaca que “não foi identificado caso algum de violação (de normas) em produtos fabricados pela própria JBS” e que nenhum de seus contratos foi alterado ou cancelado”.

(com agência France-Presse)