Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Japão proíbe importações de carne bovina do Brasil

País suspende compras devido a um caso de doença da vaca louca identificado numa fêmea que morreu em 2010, em Sertanópolis, no Paraná

Por Da Redação 8 dez 2012, 15h36

O Japão proibiu neste sábado a importação de produtos de carne bovina vindos do Brasil após a confirmação da presença da proteína do agente causador da ‘doença da vaca louca’ em uma fêmea que morreu em dezembro de 2010 numa fazenda de Sertanópolis, no Paraná.

De acordo com o ministério da saúde japonês, esta é a primeira proibição de importações de carne bovina devido à doença – oficialmente conhecida como encefalopatia espongiforme bovina (EEB) – desde dezembro de 2003, quando foram restringidas as compras do produto oriundo dos Estados Unidos.

Para o Japão, o impacto da proibição deve ser limitado. Em 2011, o país importou do Brasil apenas 1 400 toneladas de produtos de carne bovina, o que representa 0,3% do total adquirido pelo país no exterior, segundo as autoridades japonesas.

O governo do Japão foi notificado da confirmação no sábado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A vaca onde foi encontrada a proteína teve morte súbita, aos 13 anos, e não apresentou os sintomas da doença, como perda gradativa do controle motor. As autoridades japonesas disseram ter solicitado ao Brasil detalhes sobre o caso.

Reação – O governo brasileiro afirmou na última sexta-feira que estava preparado para contestar as possíveis restrições às exportações de carne relacionadas à confirmação da presença da proteína do agente causador da doença da vaca louca.

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Enio Marques Pereira, destacou que, caso houvesse “decisão precipitada de algum país”, o Brasil iria dar as explicações bilaterais e, se as argumentações não forem suficientes, pediria a aplicação do acordo sobre medidas sanitárias da Organização Mundial de Comércio (OMC), podendo até recorrer a um painel.

Pereira afirmou ainda que todo histórico da ocorrência foi repassado à OIE e que enviou ofício ao governo brasileiro mantendo o status de risco insignificante para EEB, a melhor classificação existente.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês