Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Japão: economia melhora, mas empresas sofrem retração

Fraca atividade empresarial atrapalha plena recuperação da economia asiática

Por Da Redação 24 nov 2011, 00h39

O governo do Japão constatou nesta quinta-feira que a economia do país está se recuperando lentamente, mas ainda persistem dificuldades devido à catástrofe do terremoto seguido de tsunami que atingiu o país em março, e há sinais de menores investimentos de empresários pelo arrefecimento das exportações e da produção.

Em seu relatório mensal de avaliação econômica, o Executivo japonês adverte que, embora os gastos das empresas estejam se estabilizando, foram observados recentes sinais de fraqueza no setor.

Em setembro passado, as encomendas de máquinas – excluindo as dos estaleiros e das elétricas – sofreram uma forte queda de 8,2%. Este indicador é considerado uma prévia dos gastos de capital das empresas japonesas nos seis meses seguintes, ao refletir seus investimentos e planos de expansão.

O governo estima uma baixa de 3,8% das encomendas para o quarto trimestre do ano, em meio ao arrefecimento das exportações e da produção industrial pelas dificuldades da economia global.

“As pequenas e médias empresas mostram cautela para o futuro imediato”, assinala o Gabinete japonês, que indica que as exportações ainda estão se estabilizando e a produção se recupera lentamente.

Continua após a publicidade

Como no mês passado, o documento aponta que as interrupções na cadeia de provisões causadas pelo terremoto e tsunami de março já foram solucionadas, mas as empresas japonesas com fábricas na Tailândia enfrentam agora as adversidades causadas pelas recentes inundações nesse país.

O relatório também alerta que a situação do emprego no Japão continua grave, embora o índice de desemprego tenha caído em setembro para 4,1% da população economicamente ativa, enquanto agosto registrou 4,3% e julho, 4,7%.

O governo destaca ainda que o consumo privado está se estabilizando e as recentes variações nos preços indicam que a economia passa por uma leve fase de deflação.

Por fim, o relatório aborda as implicações negativas da crise da dívida na Europa, ao ressaltar os temores de que a situação se transforme em uma crise bancária na região, com impactos sobre o crescimento econômico global.

(com Agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês