Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Itália confisca bens de Kadafi e familiares avaliados em 1,1 bi de euros

Por Da Redação
28 mar 2012, 14h39

Roma, 28 mar (EFE).- A Polícia Financeira italiana confiscou nesta quarta-feira as contas correntes e ações avaliadas em 1,1 bilhão de euros que o falecido ditador líbio Muammar Kadafi e sua família, assim como o ex-chefe dos Serviços Secretos, Abdullah Senussi, mantinham na Itália.

Como informou a imprensa italiana, a medida adotada pela Polícia Financeira ocorre depois de um pedido do Tribunal Penal Internacional de Haia.

Os bens estão nos nomes de dois fundos soberanos líbios, o Libyan Investment Authority (LIA) e o Libyan Arab Foreign Investment Company (LAFICO) e que pelas investigações da Polícia Financeira são atribuíveis a Kadafi e pessoas próximas a ele.

Dentre os bens confiscados figura a participação de 1,256% que a família Kadafi possuía no banco Unicredit, o maior da Itália, equivalente a 611 milhões de euros.

Continua após a publicidade

As autoridades italianas apreenderam sua cota de 0,58% no conjunto de acionistas da empresa de hidrocarbonetos Eni, no valor de 410 milhões de euros, 2% que tinham no grupo industrial italiano Finmeccanica, assim como sua participação nas sociedades do fabricante automobilístico Fiat.

Além de suas cotas no conjunto de acionistas de diferentes empresas italianas, a Polícia Financeira confiscou várias contas correntes, assim como 150 hectares em terrenos na ilha de Pantelária, no sudoeste da Sicília, um apartamento em Roma e duas motocicletas, uma delas uma Harley Davidson.

Os bens confiscados nesta quarta-feira já haviam sido congelados em março de 2011 pelas autoridades italianas, de acordo com as sanções econômicas contra o derrubado regime de Trípoli aprovadas pela União Europeia (UE) e as Nações Unidas, após o início do conflito no país.

Continua após a publicidade

O tenente-coronel da Polícia Financeira Gavino Putzu explicou em declarações ao canal de televisão a cabo ‘SkyTg24’ que os bens confiscados poderão servir para ressarcir as vítimas do regime de Kadafi.

O coronel Muammar Kadafi morreu em 20 de outubro na cidade líbia de Sirte, após quase nove meses de conflito armado entre seu regime e as forças rebeldes.

Ele foi capturado após a queda do último foco de resistência em Sirte, a mesma cidade que o viu nascer, onde os últimos homens fiéis ao ditador lutaram por mais de um mês, depois de os rebeldes assumirem o controle de Trípoli no fim de agosto, de onde Kadafi se viu forçado a fugir. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.