Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Irã construirá nova usina nuclear na cidade de Bushehr

Por Da Redação - 27 maio 2012, 13h38

Teerã, 27 mai (EFE).- O Irã planeja construir uma segunda usina nuclear de mil megawatts na cidade de Bushehr, no sul do país, junto com a primeira usina atômica iraniana, segundo declarou o diretor da Organização de Energia Atômica do Irã, Fereydun Absi.

A televisão iraniana em espanhol ‘HispanTV’ informou neste domingo que, segundo Absi, a atual planta de Bushehr, também com uma potência máxima de mil megawatts e que começou a funcionar em setembro do ano passado, ‘ainda não começou a produção de eletricidade’ para a rede de abastecimento.

Absi acrescentou que dentro de três meses a central alcançará ‘a estabilidade’ e, até o final de 2012, ‘o contratista russo do projeto vai entregar a planta de Bushehr em pleno rendimento’.

Segundo o funcionário, o Irã poderia fabricar seu próprio combustível nuclear para Bushehr, mas, ‘de acordo com o contrato bilateral, os russos colaborarão conosco durante os próximos dez anos’.

Publicidade

A companhia construtora da atual central de Bushehr, a russa AtomStroyExport, anunciou no último dia 3 de maio em comunicado que a usina estaria em pleno funcionamento no dia 23 de maio, mas posteriormente as autoridades iranianas disseram que isso não aconteceria pelo menos até setembro deste ano.

O Irã começou a construir a usina nuclear de Bushehr na década de 1970 com ajuda alemã, mas o projeto foi interrompido pelo triunfo da Revolução Islâmica, que em 1979 depôs o último xá da Pérsia, Mohammed Reza Pahlevi.

A AtomStroyExport retomou a construção após assinar um contrato com o Irã em fevereiro de 1998, mas desde então o projeto sofreu numerosos atrasos devido às suspeitas de alguns países, com os Estados Unidos à frente, da existência de um programa nuclear militar iraniano.

O Irã também anunciou no último dia 24 de março que pode projetar e construir reatores nucleares do tipo piscina sob supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Publicidade

O próprio Absi disse então que esses reatores seriam similares ao de pesquisa de Teerã, que tem uma capacidade de cinco megawatts, e acrescentou: ‘Pensamos em construir um similar de dez megawatts’.

O reator de Teerã, segundo as autoridades iranianas, já funciona com placas de urânio enriquecido a 20% fabricadas na feitoria iraniana de Isfahan, no centro do país, e é utilizado para produzir isótopos radioativos de uso médico, dedicados ao tratamento de 800 mil pacientes de câncer.

Absi apontou que o maior problema técnico enfrentado pelo Irã em matéria nuclear era ‘a produção de placas de combustível nuclear’.

Porém, ‘com nossos centros (de enriquecimento de urânio e elaboração de combustível), já podemos fazer isso’, concluiu. EFE

Publicidade