Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

IPI de carros terá aumento em janeiro de 2015

Informação é do ministro da Fazenda, Guido Mantega, em conversa com o presidente da Anfavea, Luiz Moan, após encontro em Brasília

Por Da Redação 20 nov 2014, 13h28

(Atualizada às 14h30)

O governo está decidido a recompor integralmente a alíquota do IPI para automóveis a partir de 2015, segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículo Automotores (Anfavea), Luiz Moan. Ele se reuniu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que, segundo Moan, reafirmou a decisão do governo Dilma Rousseff (PT) de voltar a alíquota, como já estava previsto. Mesmo com a alta do imposto, a Anfavea prevê que a venda de automóveis será maior em 2015 do que em 2014 – mas ainda não tem um número projetado, de acordo com o presidente.

Em 1º de janeiro, a alíquota para os carros populares subirá de 3% para 7%, enquanto o tributo para os carros médios subirá de 9% para 11% (no caso dos motores flex) e para 13% (a gasolina). “Eu toquei no assunto, mas a posição é de que há decisão do governo pela implementação da alíquota cheia do IPI em janeiro”, disse, acrescentando que não pediu explicações sobre os motivos. A decisão sobre repassar a alta do imposto integralmente para o preço final será de cada empresa, segundo Moan.

“Vamos continuar trabalhando na produção, nas promoções de venda e vamos continuar aqui. Estamos no Brasil há mais de 90 anos e vamos continuar nos próximos 90”, disse Moan. Ele negou que o setor tenha planos de promover demissões. “A indústria tem seus trabalhadores em nível muito qualificado. A indústria sempre evitou fazer redução do pessoal pelo investimento que foi feito, então vamos lutar o máximo possível para continuar produzindo.”

Leia mais:

Aumento do IPI de bebidas acontecerá em três parcelas

Continua após a publicidade

Mantega diz que setor automotivo tem de ‘andar com as próprias pernas’

PSI – Na reunião desta quinta-feira, o principal pedido do setor para o ministro Guido Mantega foi, segundo Moan, para que as taxas do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) para o próximo ano sejam divulgadas o mais rápido possível. “Hoje falamos muito mais de máquinas agrícolas, caminhões e ônibus. A posição do ministro é que ele vai estudar e levar em consideração”, disse. Hoje, as taxas do PSI são de 6% para caminhões e ônibus e de 4,5% para máquinas agrícolas.

Crise – Num momento em que o setor automotivo está entre os que mais sofrem com a fragilidade da economia, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, mudou sua agenda para receber Moan. A despeito da retomada das vendas do setor automotivo em novembro, o ano deve fechar com queda de 5% a 6% em relação a 2013, segundo estimativa da Anfavea. Até sexta-feira, as vendas acumuladas estavam 8,5% inferiores ao dado registrado em igual período de 2013.

As montadoras reclamam da dificuldade dos consumidores em obter linhas de crédito para adquirir bens duráveis, como os do segmento automotivo, que estão cada vez mais apertadas. Nesse sentido, as vendas acabam sendo afetadas.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade