Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ipea: Crise econômica começa a perder fôlego

Segundo a Carta de Conjuntura do Instituto, que avalia dados do IBGE, sinais de melhora surgem principalmente na indústria

Por Da Redação - 27 jun 2016, 16h22

Levatamento divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) diz que a crise econômica que atinge o país começa a perder fôlego. Segundo o Ipea, os sinais de que a crise está perdendo fôlego podem ser percebidos principalmente na indústria. A desvalorização do real em relação ao dólar tem beneficiado o setor exportador, principalmente nos segmentos têxtil, madeireiro e de calçados.

Além de aumentar a competitividade brasileira no setor externo, a desvalorização do real também está estimulando a substituição de importação na produção de alguns bens intermediários, os insumos usados pelo setor produtivo. Por outro lado, no entanto, a moeda nacional desvalorizada torna a importação de máquinas e equipamentos mais cara, prejudicando investimentos no setor produtivo.

Diferentemente da indústria, os setores de serviços e comércio ainda estão em retração. “Os serviços tendem a levar um tempo maior para se recuperar porque depende muito da renda dos consumidores e essa renda vai demorar a se recuperar por conta da questão do emprego”, diz José Ronaldo Souza Júnior, coordenador do Grupo de Conjuntura do Ipea.

Leia mais:

Publicidade

Cinco setores da indústria mostram reação

A renda e o aumento de desemprego têm prejudicado a recuperação da demanda doméstica por bens e serviços. “A gente vê um longo caminho [para a recuperação da economia], porque a gente olha para os indicadores de confiança, principalmente dos consumidores, e vê que eles ainda estão muito pessimistas”, afirmou o pesquisador.

A despeito dos sinais de melhora, ainda há um longo caminho para a recuperação do país, de acordo com o pesquisador. Os dados estão na Carta de Conjuntura, que avalia dados econômicos divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

(Com Agência Brasil)

Publicidade