BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Continua após publicidade

IPC-S fecha mês de maio com alta de 0,52%–FGV

Por Da Redação
1 jun 2012, 08h23

SÃO PAULO (Reuters) – O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou alta de 0,52 por cento na quarta quadrissemana de maio, que corresponde ao fechamento do mês, influenciado principalmente por Alimentação, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta sexta-feira.

Em abril, o indicador havia fechado com alta de 0,52 por cento. Na terceira quadrissemana de maio, o IPC-S apresentou elevação de 0,50 por cento.

Com o fechamento do mês, o indicador acumula alta de 2,72 por cento no ano e de 5,06 por cento nos últimos 12 meses, de acordo com a FGV.

Na última quadrissemana do mês, cinco das oito classes de despesas que compõem o índice apresentaram acréscimo em relação à terceira quadrissemana.

O principal destaque partiu do grupo Alimentação, que passou de alta de 0,48 por cento para 0,61 por cento. Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item hortaliças e legumes, que passou de 3,76 para 6,26 por cento.

Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos Vestuário (0,44 para 0,93 por cento), Habitação (0,49 para 0,55 por cento), Educação, Leitura e Recreação (0,11 para 0,23 por cento) e Comunicação (-0,27 para -0,13 por cento).

Continua após a publicidade

Por sua vez, registraram decréscimo os grupos Transportes (0,17 para -0,11 por cento), Saúde e Cuidados Pessoais (0,81 para 0,70 por cento) e Despesas Diversas (3,96 para 3,73 por cento).

ATENÇÃO

Na quarta-feira, o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) acelerou a alta em maio ao avançar 1,02 por cento, ante variação positiva de 0,85 por cento em abril, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O mercado está atento aos movimentos inflacionários, principalmente diante da postura do Banco Central de reduzir a taxa básica de juros para impulsionar a atividade.

Indicadores anteriores sobre a inflação indicavam arrefecimento na alta dos preços, dando suporte ao discurso do governo de que caminhará para o centro da meta oficial, de 4,5 por cento pelo IPCA.

Continua após a publicidade

Por exemplo, o IPCA-15 -considerado uma prévia da inflação oficial- registrou alta de 0,51 por cento em maio, abaixo do esperado pelo mercado.

A economia brasileira vem mostrando dificuldades em apresentar sinais consistentes de crescimento, mesmo diante das recentes medidas do governo de estímulo fiscal e monetário.

O próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, prevê que o Produto Interno Bruto deve crescer entre 3 e 4 por cento neste ano, abaixo da previsão inicial do governo, de 4,5 por cento.

Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic em 0,50 ponto percentual, para 8,50 por cento ao ano, batendo novo recorde histórico de baixa.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga nesta sexta-feira o resultado do PIB do primeiro trimestre e as expectativas são de que mostrará uma economia ainda patinando.

Continua após a publicidade

(Por Camila Moreira)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine VEJA pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

a partir de R$ 29,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.