Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Infraero quer área de check-in compartilhado em aeroportos

Objetivo é selecionar uma empresa de tecnologia que preste serviços a todas as companhias aéreas, que deixarão de ter guichês exclusivos

Por Da Redação 20 out 2015, 10h04

Nove aeroportos administrados pela Infraero poderão ter um sistema de check-in compartilhado pelas empresas aéreas. A intenção da companhia é fazer uma licitação para selecionar uma empresa de tecnologia para administrar esses espaços e prestar serviço às companhias aéreas, que deixarão de ter guichês exclusivos por empresa. O projeto faz parte dos planos da estatal brasileira de reequilibrar suas contas, que estão deficitárias após a privatização de grandes aeroportos, como Guarulhos e Brasília.

O projeto em análise contempla os aeroportos de Congonhas (SP), Santos Dumont (RJ), Curitiba (PR), Recife (PE), Goiânia (GO), Cuiabá (MT), Belém (PA), Manaus (AM) e Maceió (AL). De acordo com o diretor de Aeroportos da Infraero, Marçal Goulart, os estudos devem estar prontos até o fim do ano. “O compartilhamento da estrutura poderá trazer um ganho de eficiência entre 20% e 25%”, estimou.

A Infraero ainda está estudando qual o melhor formato para licitar esses espaços. A estatal ainda não definiu, por exemplo, se fará uma licitação nacional para a administração dos aeroportos ou se os dividirá em lotes, de acordo com Goulart.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) disse, em comunicado, que o tema está em debate entre os seus associados – TAM, Gol, Azul e Avianca. A entidade lembrou que o setor vem sofrendo um choque de custos nos últimos anos “devido principalmente à evolução do câmbio e à majoração dos custos relativos a tarifas aeroportuárias e aeronáuticas”. “[A Abear] não vê favoravelmente qualquer iniciativa que possa resultar em adicional aumento de custos ou que implique compulsoriamente em despesas não planejadas no momento em que as companhias buscam saídas para lidar com o preocupante cenário de retração econômica”, afirmou.

De acordo com o diretor da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) no Brasil, Carlos Ebner, a solução pode trazer aumento de custos para as companhias, já que coloca um intermediário no processo – a empresa de tecnologia vencedora da licitação, que também vai procurar lucrar com o serviço. Ebner admite, porém, que o sistema pode trazer eficiência ao uso da infraestrutura aeroportuária. “Hoje o balcão de check-in de algumas empresas fica vazio quando elas não têm voos.”

Leia também:

Azul corta preços de voos aos EUA e reduz previsão de crescimento

Continua após a publicidade

Air France pode cortar mais 5.000 empregos

O professor de Transporte Aéreo da USP, Jorge Leal Medeiros, ressalta que o uso de um sistema de check-in compartilhado poderá exigir avanços na regulação do setor pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “Se der um problema no sistema, a culpa vai ser de quem? Terá de ficar claro na lei de quem é a responsabilidade pela qualidade do serviço.”

Contas – A licitação da área de check-in é uma das ações em desenvolvimento pela Infraero para ajustar o seu orçamento à realidade econômica. A estatal perdeu cerca de 65% das receitas que tinha até 2012 após a concessão de seus principais aeroportos, como Guarulhos, Galeão e Brasília. “Algumas ações já estão avançadas e poderemos reequilibrar nossas contas já em 2016”, disse Goulart.

Além das concessões de áreas nos aeroportos, a Infraero também pediu um aporte do Tesouro de 750 milhões de reais para executar um plano de demissão voluntária, que deverá cortar cerca de 2,5 mil funcionários.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)