Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Informalidade no emprego cai para 41,6% no Brasil, diz OIT

Um dos fatores que contribuíram para redução da informalidade é a maior retenção de jovens no sistema de ensino do país, reduzindo o total de ocupados expostos a condições precárias

Por Da Redação 13 fev 2014, 22h56

O total de jovens ocupados em trabalhos informais diminuiu de 52,6%, em 2007, para 41,6% em 2011. Os dados levam em conta jovens brasileiros ocupados entre 15 e 24 anos e foram levantados pela Organização Mundial do Trabalho (OIT). para o estudo “Trabalho decente e juventude: políticas para a ação”.

Segundo o estudo, diversos fatores econômicos e sociais, além de intervenções políticas, ajudam a explicar o aumento da formalidade. Entre eles, estão a maior retenção de jovens no sistema de ensino do país, o que reduz o total de ocupados expostos a condições precárias no mercado de trabalho.

Além disso, o documento cita medidas como a simplificação do registro e a diminuição de impostos para pequenas e médias empresas, assim como uma maior conscientização sobre a importância da formalização jurídica, beneficiando em especial os trabalhadores domésticos.

Leia também:

Emprego na indústria encerra 2013 em queda de 1,1%

Crescem ações na Justiça sobre correção do FGTS

Continua após a publicidade

Na América Latina e Caribe, dos 48,3 milhões de jovens ocupados no mercado de trabalho entre 15 e 24 anos, mais da metade, ou 55,6%, atuaram em empregos informais em 2011. Em 2007, o porcentual maior, de 60,6%, ou seja, houve uma queda de cinco pontos porcentuais no período.

Segundo a entidade, apesar do cenário favorável de desenvolvimento econômico da região nos últimos anos, este movimento não foi suficiente para melhorar significativamente a situação dos jovens no mercado de trabalho.

“É evidente que crescimento não basta”, disse a diretora regional da OIT para a América Latina e Caribe, Elizabeth Tinoco, em comunicado à imprensa. “Estamos diante de um desafio político que demanda uma demonstração de vontade na aplicação de políticas inovadoras e de efetividade para enfrentar os problemas da precariedade laboral.”

Na América Latina e Caribe, existem cerca de 108 milhões de jovens, dos quais cerca de 56 milhões fazem parte da força de trabalho, ou seja, que têm um emprego ou estão buscando uma ocupação.

Leia ainda:

Taxa de desemprego fecha 2013 em mínima histórica – na metodologia que será aposentada

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)