Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inflação pode romper a meta também em 2015

Preços administrados, como energia elétrica e gasolina, devem pesar mais no ano que vem, segundo analistas

Por Da Redação 24 abr 2014, 14h45

Começa a ganhar força no mercado a expectativa de que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) possa fechar no teto ou acima da meta de 6,5% não apenas em 2014, mas também em 2015. A perspectiva vem sendo influenciada principalmente pelas estimativas mais elevadas para os preços administrados – aqueles que o governo consegue controlar – na comparação com este ano.

As projeções, de forma geral, vão na mesma direção do relatório semanal Focus, do Banco Central (BC). Na pesquisa divulgada nesta terça-feira, a mediana das expectativas para o IPCA de 2014 rompeu o teto da meta pela primeira vez este ano, ao passar de 6,47% para 6,51%. Para 2015, a previsão para o índice fechado ficou inalterada em 6,0%.

Leia mais:

Alta da inflação dificulta ganho real da poupança

Prévia da inflação acelera para 0,78% em abril, aponta IBGE

BC defende sua atuação em política para combater inflação

Ainda que as previsões de algumas instituições para a inflação de 2015 estejam ligeiramente menor que o limite máximo, os analistas ressaltam que os riscos de o índice encerrar acima dessa marca no ano que vem são altos. Uma das incógnitas é se o próximo presidente do Brasil fará o ajuste dos preços administrados de forma gradual ou de uma única vez.

Continua após a publicidade

Para os economistas, independentemente de quem vença a eleição em 2014, o importante é que o governante tente colocar a “casa em ordem” o quanto antes. A visão geral é que a inércia inflacionária já é elevada e pode colocar mais pressão sobre a política monetária em 2015, ano para o qual as expectativas são de crescimento ainda fraco da economia.

Todas as projeções apontam para aceleração dos preços administrados em 2015 ante 2014 na faixa de 7%. No Focus, a inflação dos administrados estimada para 2014 e 2015 está em 4,7% e 6,0%, respectivamente.

Leia ainda: Inflação acelera em março e acumula 6,15% em 12 meses

Reajustes de energia podem elevar inflação em até 0,12 ponto em abril

Copom responde à S&P e sobe taxa de juros para 11%

Pessimismo – Contudo, há previsões mais pessimistas, como a do economista-chefe do Banco Fibra, Cristiano Oliveira, que espera uma inflação de 8% para esses preços em 2015. Para ele, subirão no ano que vem as tarifas de energia elétrica, de ônibus urbano e de gasolina. Oliveira estima ainda um IPCA cheio de 6,6% para 2015 e de 6,6% para 2014, acima do teto da meta oficial.

Já a Kondor Invest estima um IPCA mais salgado em 2015: 7,6%. A economista Nicole Saba explica que, além da expectativa de aceleração dos preços administrados em 7,5%, também espera uma taxa elevada para os preços livres, de 7,6% no ano que vem. “A inflação ainda é indexada. Apesar de esperar que a atividade não cresça tanto (neste e no próximo ano), o que pode fazer com que os salários não subam tanto, só o fato de ser indexada já faz com que a inflação prospere.”

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)