Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Inflação deve convergir para a meta em 2016, diz BC

Em ata, Comitê de Política Monetária diz que pressões inflacionárias presentes na economia tendem a arrefecer ou, até mesmo, se esgotar nos próximos anos

Por Da Redação
11 set 2014, 13h29

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) acredita que a inflação, apesar de elevada, deve convergir para a meta nos trimestres iniciais de 2016. A avaliação está na ata da última reunião do Copom, divulgada nesta quinta-feira. Ainda segundo a entidade, a projeção para a inflação em 2014 diminuiu em relação ao esperado em julho. Já para 2015 a expectativa se manteve estável, mas ainda acima da meta do governo, de 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

De acordo com a ata do Copom, pressões inflacionárias presentes na economia tendem a arrefecer ou, até mesmo, se esgotar. O Copom cita como exemplo de pressões o realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais e dos administrados em relação aos livres, além de ganhos salariais incompatíveis com a produtividade.

O BC reafirma ainda que a economia está crescendo abaixo do seu potencial, o que contribui para reduzir pressões inflacionárias.

Leia mais:

Banco Central sinaliza que política monetária não vai mudar

Continua após a publicidade

Mercado eleva projeção para inflação em 2014 a 6,29%

Em último encontro antes das eleições, Copom mantém Selic em 11% ao ano

Conheça os vilões da inflação em 2014

Na semana passada, o Copom manteve a taxa básica de juros (Selic) em 11% ao ano, pela terceira vez seguida. O Copom interrompeu o ciclo de alta da Selic em maio, quando segurou os juros após nove aumentos consecutivos – de 7,25% em março de 2013 para os atuais 11%. Na última sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA chegou a 6,51% em 12 meses, encerrados em agosto, acima do teto da meta(6,5%).

Continua após a publicidade

A Selic é usada pelo BC como instrumento para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

A decisão de não diminuir a Selic foi tomada após o resultado pífio do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre, que apresentou queda de 0,6%, a segunda retração seguida, o que configura recessão técnica.

(Com Agência Brasil)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.