Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inflação americana em julho sobe, mas em ritmo menor que no mês anterior

Índice que exclui alimentos e combustíveis cresceu 0,3%, o equivalente a 0,6 ponto percentual abaixo de junho; no ano, os preços acumulam alta de 4,3%

Por Luisa Purchio Atualizado em 11 ago 2021, 16h14 - Publicado em 11 ago 2021, 10h22

O CPI Core de julho, divulgado na manhã desta quarta-feira, 11, pelo Escritório de Estatísticas de Trabalho dos Estados Unidos (BLS, na sigla em inglês), desacelerou 0,6 ponto percentual em relação ao mês anterior e veio abaixo do esperado pelos economistas. O índice reúne a variação de preços do consumidor, com exceção de combustíveis e alimentos, que sofrem volatilidades pontuais. Em julho, o CPI Core foi de 0,3% em relação a junho, 0,1 ponto percentual abaixo da expectativa dos economistas da Bloomberg. No mês anterior, a variação havia sido de 0,9%. Já no acumulado do ano, a variação é de 4,3%, em linha com as estimativas e 0,2 ponto percentual abaixo do mês anterior.

“Junto com habitação, veículos novos, os índices para recreação, para cuidados médicos e para cuidados pessoais aumentaram em julho. O índice para carros usados ​​também aumentou em julho, mas o avanço de 0,2% foi muito menor do que nos últimos meses. O índice de seguro de veículos motorizados caiu em julho, e o índice de tarifas aéreas caiu ligeiramente”, disse o BLS em nota.

Um dos indicadores mais esperados pelo mercado, o CPI Core de julho ameniza a expectativa dos economistas de breve retirada dos estímulos econômicos pelo Federal Reserve Bank, uma vez que a inflação é o principal termômetro monitorado pelo banco central americano para as decisões de política monetária. A meta de inflação do Fed é de uma média de 2% por um período prolongado.

“O resultado corroborou com a expectativa de que o pico inflacionário tenha ocorrido em junho, amenizando as preocupações com o Fed. Como o Fed busca uma média anual e a inflação ficou abaixo por muito tempo, esse ponto ainda não foi ultrapassado”, diz Victor Beyruti, analista da Guide Investimentos. “De qualquer jeito, o debate deve seguir em foco, com investidores de olho no PCE (outro indicador de inflação) e dados de emprego”, diz ele.

Índice amplo

O CPI que abrange combustíveis e alimentos variou 0,5% em julho em relação ao mês anterior, atendendo a estimativa dos economistas da Bloomberg. No mês anterior, a variação havia sido de 0,9%. No acumulado do ano, o índice subiu 5,4%, mesmo índice do mês anterior e 0,1 ponto percentual acima da expectativa dos analistas.

“Os índices de habitação, alimentos, energia e veículos novos aumentaram em julho e contribuíram para o aumento mensal de todos os itens com ajuste sazonal. O índice alimentar aumentou 0,7 por cento em julho como cinco dos principais grupos de alimentos em supermercados, e o índice de alimentação fora de casa aumentou 0,8%. O índice de energia subiu 1,6 por cento em julho, enquanto o índice da gasolina aumentou 2,4 por cento e outros índices do componente de energia também subiram”, disse o BLS em nota.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)