Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inflação acelera em março e acumula 6,15% em 12 meses

Com a elevação de 0,92%, maior avanço para os meses de março em 11 anos, o IPCA subiu 2,18% no 1º trimestre

Por Da Redação 9 abr 2014, 09h32

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal indicador de inflação no Brasil, de março foi de 0,92%, maior avanço para o mês em onze anos e acima do resultado de fevereiro (0,69%). O dado foi divulgado na manhã desta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado fez o acumulado dos últimos doze meses alcançar 6,15%, bem próximo ao teto da meta do governo, de 6,5%, e também maior do que o acumulado de 12 meses até fevereiro (5,68%). No primeiro trimestre, a inflação soma 2,18%.

A expectativa do mercado era de uma alta de 0,85% em março e 6,08% em 12 meses. Na prévia de março, divulgada pelo IBGE há duas semanas, o índice havia subido 0,73% e 5,9% em 12 meses.

Leia mais:

Preço dos imóveis sobe menos que a inflação

Inflação anual ganha força no Brasil, aponta a OCDE

aumento de 6,1% no IPCA

Os economistas ouvidos pelo BC para o relatório semanal Focus também não param de elevar sua perspectiva para a inflação em 2014. Na última segunda-feira, a estimativa passou de 6,30% para 6,35%, quase se encostando no teto da meta oficial (6,5%).

Continua após a publicidade

Ainda nesta quarta-feira, a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou alta de 0,72% na prévia do IGP-M de abril, índice muito considerado em reajuste de contratos, como os de energia elétrica e aluguel de imóveis. No mesmo período de março, a inflação medida pelo indicador prévio havia sido de 1,16%, portanto a tendência é de desaceleração.

Leia também:

Rodrigo Constantino: Inflação deve encostar ainda mais no teto da meta perto das eleições

Para Tombini, alta do preço de alimentos é ‘choque temporário’

Impactos – O grupo que mais pesou no IPCA de março foi o de Alimentação e Bebidas, que representou 0,47 ponto porcentual da alta de 0,92% do índice. Na comparação mensal, a inflação do segmento foi de 1,90%. “Em consequência da seca que atingiu as lavouras de alguns estados e prejudicou a oferta de alimentos, produtos importantes na mesa do consumidor tiveram fortes aumentos nos preços, a exemplo do tomate, que ficou 32,85% mais caro”, comentou o IBGE.

Os preços do grupo Transportes também subiram 1,38% em março, acrescentando 0,26 ponto porcentual ao índice cheio. As passagens aéreas, cujos preços haviam caído 20,55% em fevereiro, subiram 26,49% em março – isolado, foi um dos principais impactos do IPCA do mês. Os preços do etanol e da gasolina subiram 4,07% e 0,67%, respectivamente.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)