Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Indústria planeja avanço menor de investimentos até 2014

Pesquisa mostra que empresas pretendem aumentar em 21,7% a capacidade instalada do setor no triênio 2012-2014, ante 22,2% em levantamento anterior

Por Da Redação 22 mar 2012, 09h03

A indústria planeja um crescimento menor dos investimentos entre 2012 e 2014. A taxa de expansão da capacidade instalada da indústria de transformação projetada para o triênio recuou para 21,7%, ante uma previsão anterior de 22,2% para os próximos três anos – patamar é o mais baixo desde o estimado para o triênio 2009-2011. Os dados da Sondagem da Indústria, referentes a janeiro e fevereiro, foram divulgados nesta quinta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A instituição consultou 779 empresas do setor sobre seus planos de investimento em expansão da capacidade produtiva para o triênio iniciado neste ano. O conjunto de companhias ouvido pela instituição é responsável por vendas de 492,4 bilhões de reais. Apesar da queda do ritmo de expansão da capacidade, a taxa apurada equivale a um crescimento anual médio de 6,8%, valor considerado elevado pela FGV.

Entre as cinco categorias de uso analisadas, apenas duas tiveram previsões superiores à estimada para o triênio imediatamente anterior, encerrado em 2011: Bens de Capital (23,1% ante 20,8%) e Material para Construção (22,3% ante 19,7%). Não Duráveis (24,5% ante 25,6%), Duráveis (23% ante 24,9%) e Intermediários (19% ante 20,5%) registraram queda nas taxas previstas.

O maior avanço entre 2011 e 2012 foi registrado em Material de Construção. Nessa categoria de uso, a taxa de crescimento trienal da capacidade prevista passou de 19,7% para 22,3%. Em Bens de Capital, também houve evolução favorável, com a taxa passando de 20,8% para 23,1% no mesmo período. Já o setor de Bens Intermediários apresentou taxa média de 19% para o triênio 2012-2014, uma queda em relação aos 20,5% do ano passado.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade