Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Indústria em SP mostra estagnação por câmbio–Fiesp

Por Da Redação 28 jul 2011, 14h47

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 28 de julho (Reuters) – A atividade industrial paulista ficou praticamente estagnada em junho, afetada pela concorrência de produtos importados em meio ao dólar baixo.

A atividade industrial paulista caiu 0,1 por cento no mês passado em relação a maio, segundo dados com ajuste sazonal divulgados pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta quinta-feira.

Sem ajuste, o Indicador de Nível de Atividade (INA) recuou 0,9 por cento no mês passado contra o anterior. Em relação a junho de 2010, o indicador subiu 3,9 por cento.

Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, classificou o desempenho da indústria no ano como “medíocre” e culpou principalmente a concorrência com as importações.

“A taxa de câmbio é de uma importância fundamental”, afirmou a jornalistas após a divulgação dos dados.

Continua após a publicidade

O dólar chegou a cair ao menor nível desde janeiro de 1999 nos últimos dias, mas tem subido desde quarta após o governo impor uma taxa sobre operações com derivativos de câmbio. Ainda assim, a moeda tem baixa de cerca de 6 por cento em 2011.

Francini disse que não pode avaliar o impacto da nova medida do governo, e ponderou que, normalmente, o mercado consegue encontrar brechas para continuar a trazer dólares para o país. “Sabemos que esse jogo é difícil”, afirmou.

Entre os setores, destaque negativo para Produtos químicos, petroquímicos e farmacêuticos, em queda com ajuste sazonal de 2,0 por cento em junho sobre maio.

Máquinas e equipamentos cedeu 0,8 por cento, também com ajuste. Veículos automotores recuou 3,7 por cento, com ajuste.

O nível de utilização da capacidade instalada na indústria ficou em 82,3 por cento no mês passado com ajuste sazonal, ante 82,5 por cento em maio e 82,5 por cento em junho de 2010.

Outra pesquisa da Fiesp, o Sensor, que visa medir o humor do empresário no mês corrente, mostrou uma leve melhora no otimismo, após três meses de queda.

O indicador teve em julho leitura de 51,0, contra 50,6 em junho. Uma leitura acima de 50 aponta otimismo, enquanto abaixo mostra pessimismo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês