Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Indústria deve ter retração de 4,5% em 2015, prevê Fiesp

Ajuste fiscal, crise da Petrobras e forte aumento dos preços administrados, como energia, afeterão desempenho da economia este ano, diz entidade

A indústria brasileira deve sofrer retração de 4,5% este ano, após um tombo estimado em 1,8% no ano passado, segundo estudo inédito da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, nesta terça-feira. Já para o Produto Interno Bruto (PIB), a expectativa é de queda de 1,7% este ano e de leve retração de 0,1% no ano passado.

Os números ruins para este ano são justificados por fatores como ajuste fiscal, a crise da Petrobras, o forte aumento dos preços administrados (energia e gasolina, por exemplo) e o aperto monetário promovido pelo Banco Central (BC), que reduziu a concessão de crédito.

Responsável por mais de 10% do investimento brasileiro, a Petrobras sofre com as denúncias da Operação Lava Jato, com a queda no preço do petróleo e a valorização do dólar. Com isso, a Fiesp ainda espera que a taxa de investimento do país recue 8,4% este ano, aprofundando um resultado que também deve ter sido bem negativo no ano passado, com baixa de 7,5%, na previsões da entidade industrial.

Leia mais:

Emprego industrial recua 0,1% em janeiro e 4,1% em um ano, diz IBGE

Empresários e trabalhadores da indústria escrevem manifesto contra medidas fiscais

Produção industrial cai 5,2% em janeiro na comparação anual

Confiança – O Índice de Confiança da Indústria (ICI) deve continuar em queda. O dado, apurado na prévia da sondagem de março, ficou em 76,2 pontos, o que significa recuo de 8,2% em relação ao resultado final de fevereiro, que foi de 83,0 pontos. Caso a prévia se confirme, a confiança terá atingido o menor nível desde fevereiro de 2009 (75,4 pontos). No mês passado, o ICI caiu 3,4%.

(Da redação)