Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Índice do BC que sinaliza o PIB cai pelo 2º mês seguido

O recuo do IBC-Br foi de 0,23% em fevereiro ante o primeiro mês do ano; já a queda na comparação com igual mês de 2011 somou 0,07%

Por Da Redação 16 abr 2012, 08h36

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) – considerado uma espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB) – caiu 0,23% em fevereiro ante janeiro, informou o BC nesta segunda-feira. Economistas ouvidos pela Reuters previam queda de 0,20% no indicador. Trata-se da segunda queda consecutiva do indicador. No primeiro mês do ano, ele já havia recuado 0,18% ante o índice de dezembro.

Na comparação do IBC-Br de fevereiro deste ano com o apurado no mesmo mês de 2011, a queda foi de 0,07%. O IBC-Br incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia – serviços, indústria e agropecuária.

Contexto – O objetivo do governo neste ano é garantir crescimento da economia na casa de 4%, apesar de o próprio BC calcular uma expansão de 3,5% no Produto Interno Bruto. Para tanto, o Planalto vem anunciando medidas para acelerar a atividade e estimular o consumo. As mais recentes aconteceram no início de abril, num pacote de pouco mais de 60 bilhões de reais entre desonerações e nova injeção de capital no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na seqüência, os bancos públicos (Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil) empreenderam reduções de, em média, 35% nos juros de linhas de crédito para pessoas físicas e pequenas empresas, com o duplo objetivo de forçar uma diminuição dos spreads bancários – diferença entre o custo de captação das instituições financeiros e os valores praticados junto aos clientes – e estimular a demanda doméstica.

Nesta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reúne-se novamente para definir a nova Selic, hoje em 9,75% ao ano. A expectativa é que ela seja reduzida em 0,75 ponto porcentual e, se confirmado, será o sexto movimento de baixa seguido desde agosto passado, quando a autoridade monetária iniciou o ciclo de afrouxamento monetário.

(com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês