Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Incerteza sobre juros faz dólar subir e fechar a R$ 4,10

Com a alta de 1,24%, moeda americana fechou em seu maior patamar desde setembro; nova taxa Selic será anunciada nesta quarta

Por Da Redação 20 jan 2016, 17h13

O dólar subiu mais de 1% em relação ao real nesta quarta-feira e fechou em seu maior patamar desde setembro, reagindo ao profundo mau humor nos mercados externos com a baixa do preço do petróleo e às incertezas sobre o rumo da taxa de juros no país.

A moeda americana avançou 1,24%, a 4,10 reais, seu maior nível de fechamento desde 28 de setembro, quando encerrou a sessão a 4,10. Durante o dia, o dólar chegou a atingir 4,13 reais na máxima da sessão, seu maior nível pré-fechamento desde 29 de setembro (4,15 reais).

No Brasil, a pressão foi corroborada por incertezas sobre a estratégia do governo para enfrentar a crise econômica. Além de preocupações com a possibilidade de que o governo possa recorrer ao afrouxamento fiscal para estimular a atividade, alguns operadores temem que o Banco Central evite aumentar os juros diante da recessão econômica.

“Sazonalmente, os primeiros meses do ano são de fluxo positivo, mas não é isso que estamos vendo. O contexto técnico está muito desfavorável e a incerteza sobre o BC potencializa”, disse o especialista em câmbio da corretora Icap, Ítalo Abucater.

Leia também:

Petróleo cai, Petrobras despenca e puxa perdas na Bovespa

Continua após a publicidade

Reação dos mercados a petróleo e China é exagerada, diz economista-chefe do FMI

O cenário externo também pesou sobre os negócios. “Prevalece a aversão a risco nos mercados internacionais. O petróleo não para de cair, e todo alívio tem se mostrado temporário”, disse o operador da corretora Correparti Guilherme França Esquelbek.

O petróleo nos Estados Unidos desabou para menos de 27 dólares por barril nesta quarta-feira pela primeira vez desde 2003, refletindo a sobreoferta nos mercados globais e expectativas de demanda fraca diante da fraqueza no crescimento econômico global.

O recuo da commodity puxou para baixo boa parte dos mercados globais, como as bolsas chinesas e americanas. Os três principais índices americanos chegaram a cair mais de 3%, com o Standard & Poor’s 500 atingindo seu menor nível desde fevereiro de 2014.

No mercado de câmbio, a moeda americana avançava em relação ao peso mexicano, chegando a renovar a máxima histórica, mesmo após o banco central do país entrar no mercado vendendo dólares.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)