Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Inadimplência no Brasil cai a 5% em outubro, diz BC

Segundo relatório do órgão, houve uma ligeira que do índice em relação a setembro, quando o indicador marcou 5,1%

Por Da Redação 28 nov 2013, 10h10

A inadimplência geral no mercado de crédito brasileiro no segmento de recursos livres ficou em 5% em outubro, abaixo da taxa de setembro, quando registrou 5,1%, informou nesta quarta-feira o Banco Central (BC). Considerando os recursos totais, abrangendo também o crédito direcionado, a inadimplência ficou em 3,2% inferior aos 3,3% de setembro. No crédito livre, as instituições financeiras podem emprestar para quaisquer fins, enquanto no crédito direcionado, o dinheiro só pode ser usado para financiar, por exemplo, o setor habitacional ou rural.

O BC informou ainda, no âmbito de sua nota de Política Monetária e Operações de Crédito, que o estoque total de crédito no Brasil subiu 0,5% em outubro ante setembro, chegando a 2,610 trilhões de reais, ou 55,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Enquanto a inadimplência mostrou leve arrefecimento, os spreads bancários e as taxas de juros mantiveram trajetória de alta em outubro no Brasil, em um contexto de elevação da Selic para combater à inflação. Em mais uma etapa desse aperto, na noite passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a Selic em 0,5 ponto percentual, para 10% ao ano, alterando o comunicado.

Em outubro, o spread bancário, diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa efetivamente cobrada aos clientes, foi de 18,4 pontos porcentuais no segmento de recursos livres, acima dos 17,8 pontos vistos em setembro. No crédito total, o spread subiu para 11,6 pontos porcentuais, frente a 11,2 no mês anterior.

Segundo o BC, a taxa média de juros no segmento de recursos livres fechou outubro em 29,0%, 0,6 ponto porcentual superior à vista no mês anterior. No crédito total, os juros ficaram em 19,8% em no mês passado, também maior que os 19,4% apurado em setembro.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Em última reunião do ano, Copom eleva Selic aos dois dígitos

Contrariados, bancos estatais estão pessimistas com crédito em 2014

Com expansão de crédito, lucro da Caixa cresce 38,2%

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês