Clique e assine com 88% de desconto

Impostos brasileiros lembram novelas, diz FT

Blog “Beyondbrics” critica aumento da taxação de cem produtos importados e compara o sistema tributário nacional às telenovelas

Por Beatriz Olivon - 6 set 2012, 16h23

logo da Exame.com
logo da Exame.com VEJA

Para o blog “Beyondbrics”, do jornal britânico Financial Times, o sistema tributário brasileiro lembra as novelas do país – é enrolado, cômico e difícil de seguir. O texto publicado nesta quinta-feira critica a elevação da taxação sobre importação de cem produtos.

O jornal destaca que, após meses de frequentes subidas e descidas das taxas, o governo anunciou na noite desta terça o aumento do imposto de importação (II) de cem produtos. “A lógica por trás da decisão era clara: afastar os estrangeiros e ajudar a impulsionar o mercado doméstico de manufaturas, que foi um dos grandes empecilhos ao crescimento”, afirma o texto.

Leia mais:

Publicidade

Infraestrutura é gargalo crônico no Brasil, diz FT

Para ‘FT’, Banco Cruzeiro do Sul é história de terror

Ainda bem que o Brasil resolveu copiar a China, diz FT

O governo Dilma ainda pode anunciar aumentos para mais cem produtos em outubro. Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, os preços domésticos dos itens beneficiados serão monitorados e, se houver reajuste de preços, o governo vai derrubar as alíquotas. Entre os setores beneficiados estão os de siderurgia, petroquímica, química fina, medicamentos e bens de capital.

Publicidade

Elevação de tarifas – Também nesta terça-feira, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, informou que a Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou a elevação do imposto de importação para uma centena de produtos ainda que o Mercosul tenha permitido uma lista de até 200 itens. Segundo ele, a intenção do governo é usar somente a metade da cota neste momento.

Ele falou ainda que nenhuma das alíquotas do Imposto de Importação vai ao máximo permitido pela Organização Mundial do Comércio (OMC), que é 35%. Pepe Vargas acrescentou que a maior alíquota ficou em 25%. A lista, por ora, não foi oficialmente divulgada.

Publicidade