Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ícone da moda ‘coxinha’, polo não será vendida na loja da Ralph Lauren em SP

Camisetas estão fora do portfólio de produtos da marca americana, que volta a ter ponto de venda no Brasil no shopping Cidade Jardim

A grife de roupas Ralph Lauren abre nesta segunda-feira sua loja no shopping Cidade Jardim, em São Paulo, e já avisou: não venderá as camisetas polo, o carro-chefe da marca para os consumidores brasileiros.

Quem quiser comprar a peça terá de continuar sua peregrinação por importadoras ou enfrentar os outlets dos Estados Unidos, onde a camiseta que ostenta um jogador de polo montado num cavalo é um hit. O fundador da marca, Ralph Lauren, que está no Brasil para a inauguração da loja de 800 metros quadrados, quer mostrar aos brasileiros que a grife não se limita a apenas uma camiseta Polo.

“A camiseta polo é legal, mas não nos identifica como marca, não somos só isso”, afirmou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Esta é a primeira loja da marca no Brasil desde 2001, ano em que o estilista decidiu encerrar suas operações no país. Desta vez, a marca direcionará seus esforços para o público adulto de alta renda, vendendo coleções de passarela, masculinas e femininas, acessórios e todos os itens com o selo ‘RL’ que vestem os endinheirados de Nova York. “Os brasileiros vão ver a totalidade da marca, e essa é a diferença entre nós e outras marcas instaladas aqui”, disse ao jornal.

Leia mais:

Tiffany & Co mostra casal gay em campanha de alianças

‘Antigordinhos’, Abercrombie reduz preços para concorrer com Forever 21

Na entrevista que concedeu ao jornal, Lauren é enfático ao dizer que uma grande marca hoje não vende apenas produtos, mas um lifestyle. Por isso, a grife investiu na abertura de um segundo Polo Bar, misto de restaurante de cozinha e bar, em Nova York. O primeiro do tipo foi inaugurado em Paris, França. “As pessoas usam roupas, mas querem experiência e a comida, assim como a prática de esportes, é parte desse universo cotidiano. A moda não se resume mais a uma bolsa ou um vestido, mas a uma visão completa da vida das pessoas”, disse.