Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ibovespa perde os 57 mil pontos e fica negativo no ano

Pressionado pelo cenário externo ruim e pela queda das ações das principais empresas cotadas, índice fechou o dia em baixa de 1,83%

Não faltaram motivos para levar a Bovespa a cair abaixo do patamar dos 57 mil pontos nesta terça-feira. Se o cenário externo não aliviou, as ações de peso do Ibovespa, como Petrobras, Vale, siderúrgicas e bancos, muito menos. A Vale foi a que apresentou pior desempenho, com recuo de 3%. Diante disso, o Ibovespa encerrou o pregão em baixa de 1,83%, aos 56.233,90 pontos – o menor nível desde 31 de julho. Durante o dia, o principal índice da bolsa brasileira oscilou na faixa entre 56.203 pontos (-1,88%), na mínima, e 57.272 pontos (-0,02%), na máxima do dia.

Com o resultado, a Bolsa zerou os ganhos em 2012 e passa a registrar queda de 0,92% no ano. Em setembro, o índice acumula perda de 1,45%. O giro financeiro desta terça-feira somou 5,974 bilhões de reais.

Enquanto as reuniões de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, e do Banco Central dos Estados Unidos (Federal Reserve), no dia 13, não acontecem, aumenta a aversão ao risco dos investidores no mercado local. Esse excesso de temor contribui para que qualquer notícia de viés negativo seja vista como motivo para saída massiva dos valores mobiliários.

Leia mais:

Bovespa sobe de 3,2% e volta ao positivo no ano

Bovespa encerra na máxima pelo 3º pregão seguido

Petrobras dispara e Bovespa flerta com os 59 mil pontos

“Enquanto os bancos centrais dos Estados Unidos e da Europa não sinalizam com nenhuma ajuda, qualquer coisa pesa muito. As notícias ruins ganham uma proporção um pouco maior”, explicou o gerente de renda variável da H.Commcor, Ariovaldo Santos. Após a perda do importante patamar dos 56.400 pontos nesta terça-feira, sua equipe vê nos 55.500 o próximo suporte do índice.

Ainda pressionada pela queda contínua do preço do minério de ferro no mercado internacional, a Vale viu seus papéis ON e PNA recuarem 3,28% e 2,93%, respectivamente. Somado a isso, a mineradora anunciou que constituiu provisão de 1,1 bilhão de reais para cobrança da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM), conhecida como royalty da mineração, alterando para “provável” o prognóstico de perda da tese de dedução de transporte da base de cálculo da CFEM.

O setor siderúrgico, que tem suas receitas atreladas ao preço do minério de ferro, também penou, com a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) caindo 4,97% – quinta maior perda do Ibovespa – e Usiminas, 1,59%. No caso da CSN, pesou ainda uma decisão da Justiça, que deliberou que a companhia continuará pagando a Taxa de Fiscalização de Recursos Minerais (TRFM), criada pelo governo de Minas Gerais em 2011 e em vigor desde março deste ano.

Petrobras ON apresentou desvalorização de 1,40%, enquanto as ações PN recuaram 1,21%.

Em Wall Street, os principais índices acionários fecharam em queda. Dow Jones perdeu 0,42% e S&P 500, -0,12%. O índice Nasdaq foi a exceção, com leve alta de 0,26%.

(com Agência Estado)