Clique e assine com até 92% de desconto

HP planeja cortar até 30 mil funcionários para reduzir despesas

Empresa não informou quando demissões começaram, nem se cortes atingirão Brasil. Desligamentos representam 10% do total de funcionários da companhia

Por Da Redação 16 set 2015, 14h17

O grupo de tecnologia HP anunciou plano de cortar até 30 mil postos de trabalho para reduzir suas despesas em 2,7 bilhões de dólares. O anúncio foi feito em comunicado, divulgado na terça-feira, em San José, na Califórnia (EUA). Segundo o documento, os efeitos dos cortes começarão a ser notados nos resultados do último trimestre deste ano fiscal, que termina em outubro.

“Para garantir essa economia, a Hewlett Packard Enterprise espera que entre 25 mil e 30 mil pessoas deixem a companhia, especialmente pelas transformações que a empresa sofrerá”, diz a nota, sem explicar quando as demissões serão realizadas. Os desligamentos representam 10% do total de funcionários da HP. Questionadas sobre cortes no Brasil, a assessoria de imprensa da empresa não retornou até o fechamento desta nota.

Os cortes foram discutidos durante uma reunião de diretores da HP com analistas das bolsas de valores. Ainda na terça, foi feita uma atualização das perspectivas financeiras.

O grupo de tecnologia vem aplicando uma restruturação desde o ano passado. Desde então, comunicou sua intenção de demitir cerca de 50 mil empregados, aos que se somam os 30 mil anunciados hoje.

No dia 6 de outubro de 2014, a HP informou que se dividiria em duas companhias: HP Inc., que assumirá as funções vinculadas com computadores pessoas e impressoras, e Hewlett Packard Enterprise, dedicada a fornecer serviços informáticos à empresas. Espera-se que a divisão seja completada em novembro.

Continua após a publicidade

Perguntada sobre cortes do quadro de funcionários aqui no Brasil, a companhia não divulgou detalhes e, segundo sua política, não informa detalhes de cortes por país.

Leia mais:

Levy: “CPMF é imposto pequenininho e rico e pobre pagam”

OCDE eleva previsão de queda no PIB brasileiro para 2,8%

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade