Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Harvard e outras instituições buscam remediar laços com escravidão

Dinheiro será usado para garantir melhores oportunidades educacionais aos descendentes de pessoas escravizadas

Por Renan Monteiro Atualizado em 27 abr 2022, 21h02 - Publicado em 27 abr 2022, 17h01

A Universidade de Harvard não é a única instituição educacional que passou a investir financeiramente na reparação histórica do gap educacional enfrentado por descendentes de pessoas escravizadas. Segundo informações do The New York Times, o anúncio de 100 milhões de dólares feito pela renomada universidade é precedido de movimentos semelhantes de Brown, Georgetown e do Seminário Teológico de Princeton. 

Em março de 2021 líderes da Conferência Jesuíta do Canadá e dos Estados Unidos haviam anunciado um fundo também de 100 milhões de dólares em benefício aos descendentes de pessoas escravizadas, na tentativa de reparação histórica. 

Harvard anunciou o investimento com a proposta de fechar lacunas educacionais, sociais e econômicas, legado da escravidão e do racismo com a comunidade negra e indígena. O acordo é resultado do projeto Harvard & the Legacy of Slavery (Harvard e o Legado da Escravidão) iniciado pelo presidente da instituição, Lawrence Bacow, em 2019.

O relatório, divulgado com o anúncio do presidente de Harvard, relembra a fundação e crescimento da universidade com base na escravidão. Fundada em 1636, a instituição foi parcialmente financiada por nomes que defenderam e/ou levaram grandes fortunas com a exploração e trabalho forçado de pessoas negras e indígenas, especialmente durante os séculos XVII e XVIII, quando a escravidão era legal em Massachusetts. Alguns nomes ainda constam em prédios dentro da instituição.

Dentre outras finalidades, o Comitê do projeto lançado em 2016 recomendou o uso do dinheiro no trabalho pela garantia de melhores oportunidades educacionais para descendentes de pessoas escravizadas, além da promoção de parcerias com as chamadas Faculdade e Universidades Historicamente Negras e nas chamadas Faculdade e Universidades Tribais (TCUs).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)