Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Guia prático para Dilma não piorar o que já vai mal na economia

O site de VEJA consultou economistas e preparou uma espécie de 'tutorial' para ajudar a presidente a não repetir os deslizes de seu primeiro mandato

Por Luís Lima - 17 nov 2014, 06h48

O desarranjo macroeconômico que leva a assinatura de Dilma Rousseff (PT) terá de ser corrigido pela própria presidente nos próximos quatro anos. A adoção de políticas heterodoxas em seu primeiro mandato provocou inúmeras distorções, sobretudo no funcionamento do tripé, composto pelo regime de metas de inflação, a política fiscal e pelo câmbio flutuante. O estímulo ao consumo, em detrimento da oferta, compõe o cerne da estratégia da presidente, que parece não se comover com o atual cenário de recessão técnica, com a baixa taxa de investimento, de 16,5 % do Produto Interno Bruto (PIB), ou com o preocupante patamar da dívida bruta, em 61,7% do PIB. Isso para citar apenas alguns exemplos. Para tentar reverter este cenário e orientar Dilma a não cometer os mesmos deslizes de seu primeiro mandato, o site de VEJA conversou com especialistas e preparou um tutorial para ajudar a presidente a fazer a “lição de casa”.

A tarefa “número um”, segundo os economistas, é resgatar a credibilidade fiscal. “Nada é mais importante do que perseguir um resultado crível e ver o governo, efetivamente, comprometido em cumpri-lo”, afirmou Alexandre Espírito Santo, economista da Simplific Pavarini Investimentos. “Dar maior transparência à política fiscal, acabar com a contabilidade criativa e deixar de apelar para receitas extraordinárias devem ser compromissos prioritários”, aponta Rafael Bistafa, da Rosenberg Associados. Nesse sentido, 2015 deve ser, sem escapatória, um ano de ajustes. Esse foi o sinal dado pelo ministro da Fazenda demissionário, Guido Mantega, no começo do mês, ao falar em reduzir despesas com seguro-desemprego, abono-salarial, auxílio-doença, pensão por morte e subsídios voltados a crédito. As agências de classificação de risco estão olhando com lupa para a política fiscal, uma das mais criticadas da atual gestão, e o Brasil deve cuidar bem dessa área se quiser manter seu grau de investimento.

Leia mais:

Corte de despesas pode atingir subsídios do BNDES, diz Mantega

Publicidade

Sanar rombo fiscal exigirá de Dilma os ajustes que tanto criticou na era FHC

Outra lacuna deixada por Dilma no primeiro mandato é a elaboração de um plano estratégico de crescimento de longo prazo. “Após organizar e alinhar as áreas fiscal e monetária, será preciso fazer um projeto de crescimento que se sustente no trinômio: investimento, produtividade e competividade”, defende Jorge Arbache, professor de economia da Universidade de Brasília (UnB). A falta desta estratégia, segundo os especialistas, ajuda a explicar vício do atual governo em apostar em “improvisações” e medidas curto-prazistas, como as várias desonerações tributárias voltadas a setores específicos.

A lista de exigências não para por aí. Domar de vez a inflação, atualmente em 6,59% em 12 meses, liberar o espírito animal dos investidores, avançar em acordos comerciais bilaterais com Europa e Estados Unidos, simplificar o sistema tributária, intervir menos e deixar o câmbio “respirar” foram outros pontos citados.

Publicidade

Leia também:

Dilma só anunciará novo ministro da Fazenda depois da reunião do G20

Arno Augustin: o malvado favorito de Dilma Rousseff

No entanto, um dos principais entraves para dar cabo a essas mudanças é a própria postura da presidente, que tem enorme dificuldade em reconhecer erros. O mercado de trabalho é uma de suas áreas favoritas. No começo do mês, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, braço-direito da presidente, sinalizou que o ajuste econômico não deve acontecer como o esperado. A jornalistas, ele defendeu cortes de gastos públicos, mas não de forma drástica, e reforçou o foco na manutenção do emprego e da renda da população. Mas a menina dos olhos do governo pode não se sustentar no ano que vem. Um importante sinalizador disso é o fechamento de mais de 30 mil vagas formais de trabalho em outubro, o primeiro resultado negativo para o mês desde o início da série histórica, em 1999, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho. Antes que o governo não tenha nem o mercado de trabalho para se orgulhar, seria razoável ler algumas das recomendações de economistas organizadas na lista a seguir.

Publicidade