Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Guedes: Trump cometeu ‘equívoco brutal’ ao falar sobre manipulação cambial

Ministro afirma que presidente dos EUA mira eleição de 2020 ao dizer que taxaria o aço brasileiro devido à desvalorização artificial do real

Por da Redação - Atualizado em 4 dez 2019, 15h55 - Publicado em 4 dez 2019, 15h43

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cometeu um “equívoco brutal” ao acusar o Brasil de desvalorizar artificialmente o real. A declaração foi dada em entrevista ao site “O Antagonista”, publicada nesta quarta-feira, 4. Segundo o ministro, a desvalorização da moeda brasileira frente ao dólar não é uma medida artificial ou de manipulação cambial, mas sim consequência da queda da taxa de juros e dos gastos públicos menores. “Nós mudamos o mix macroeconômico. Demos um freio na área fiscal aí vem junto o câmbio que estava sobrevalorizado”, afirmou.

Guedes afirmou que a declaração de Trump é uma visão errada do que acontece no Brasil e que é um jeito do presidente dos EUA defender a política protecionista que adota. “Aqui nós estamos abrindo nossa economia, independentemente da política dos outros. Quem quiser trabalhar conosco será bem-vindo. Temos todo o interesse de promover o comércio entre nós. Mas tecnicamente (a posição de Trump) é um equívoco grave.”

 

Guedes se disse surpreso com a medida e afirmou acreditar que a ideia de taxar as importações de aço por causa da desvalorização da moeda brasileira não tenha passado pelos assessores econômicos da Casa Branca. “Eu tinha tido uma excelente conversa com o Secretário de Comércio dos EUA, Wilmour Ross, com o diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow, numa reunião com CEOs de empresas americanas e brasileiras na semana passada e, de repente, Trump deu esse tiro para cima e falou o que falou”, disse o ministro. Mesmo assim, Guedes admitiu que não ligou para a equipe econômica de Trump para discutir a taxação do aço brasileiro. “Há coisas que é preciso refletir, deixar amadurecer”, afirmou.

Publicidade